Congresso debate evolução das doenças autoimunes em Portugal
DATA
17/06/2022 12:44:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Congresso debate evolução das doenças autoimunes em Portugal

O Núcleo de Estudos de Doenças Autoimunes (NEDAI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) realiza o “VIII Congresso Nacional de Doenças Autoimunes | XXVII Reunião Anual do NEDAI”, nos dias 21 a 25 de junho, no Porto.

O encontro científico vai trazer à cidade um painel de especialistas para debater e partilhar novos conhecimentos sobre a evolução das doenças autoimunes em Portugal e no mundo. Para António Marinho, coordenador nacional do Núcleo de Estudos de Doenças Autoimunes (NEDAI), o principal objetivo do evento baseia-se na promoção da atualização contínua da comunidade científica, que se dedica às doenças autoimunes.

“Devido aos dois anos de pandemia registou-se um grande atraso na disseminação dos updates ao nível de conhecimento mais atualizado…Existe um gap que é necessário recuperar rapidamente e, por isso, quisemos organizar um congresso numa cidade maior com a intenção de podermos receber um maior número de pessoas presencialmente”, explica o responsável.

De acordo com António Marinho, o VIII Congresso Nacional de Doenças Autoimunes distingue-se por ser multitemático: Doenças autoimunes sistémicas, Inovação Terapêutica, Esclerose Sistémica e Génese das Doenças Autoimunes encabeçam alguns dos principais temas que vão estar em análise, durante os cinco dias de congresso.

Em Portugal, as doenças autoimunes, como artrite reumatoide ou vasculite, são “mais comuns em mulheres do que em homens, em especial em mulheres em idade fértil pois o seu ambiente estrogénio assim o favorece”, sinaliza António Marinho.

O VIII Congresso Nacional de Doenças Autoimunes, que se realiza no Hotel Hilton Porto Gaia, decorre em formato híbrido. Para mais informações, consulte aqui.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.