Ispa recebe a 3.ª edição da conferência internacional dedicada à Comunidade LGBT+
DATA
22/06/2022 11:26:33
AUTOR
Jornal Médico
Ispa recebe a 3.ª edição da conferência internacional dedicada à Comunidade LGBT+

Inteiramente dedicada à investigação das populações LGBT+, a conferência International Conference on LGBT+ Psychology and Related Fields, promovida pelo Ispa (Instituo Universitário), realiza-se de 22 a 25 de junho. Como anfitrião e organizador estará Pedro Alexandre Costa, do William James Center for Research.

A iniciativa visa promover a partilha de investigação, conhecimento, experiências e boas práticas em investigação LGBT+, e ainda “afirmar a Psicologia LGBT+ e Áreas Afins como disciplinas viáveis e legítimas do ponto de vista científico, com um corpo de conhecimento comum e particular”.

O objetivo é contribuir para o desenvolvimento de respostas sociais adequadas às áreas prioritárias de intervenção definidas pelos governos e organizações sociais, no domínio das minorias sexuais e de género.

“O stress associado ao estatuto minoritário, a opressão e violência contra pessoas LGBT+; Famílias LGBT+ e a sua saúde física e mental; Homo/Bi/TransFobia; Identidade de Género e saúde de pessoas trans são alguns dos temas que vão estar em destaque, com as experiências e Best Practices dos países que vão participar (de 5 continentes)”, lê-se em comunicado.

O painel de oradores conta com investigadores e profissionais da área, entre os quais: Charlotte Patterson (Universidade de Virgínia, EUA), David Frost (University College London, Reino Unido), Carla Moleiro (ISCTE-IUL, PT) e outros especialistas que avançaram significativamente no campo da pesquisa LGBT+.


O evento é aberto, mas essencialmente dirigido a psicólogos, profissionais de saúde, cientistas sociais, estudantes, professores, investigadores, ONG e outras instituições. Cada participante poderá inscrever-se em um ou dois workshops mesmo não estando inscrito na Conferência que decorre entre 23 e 25 de junho. A inscrição pode ser feita aqui.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.