“A Receita para…”: disponível temporada completa do podcast dedicado à saúde
DATA
01/07/2022 11:08:46
AUTOR
Jornal Médico
“A Receita para…”: disponível temporada completa do podcast dedicado à saúde

A temporada completa de “A Receita para…”, o podcast da Universidade Europeia dedicado à área das Ciências da Saúde, está agora disponível no canal de Youtube da Universidade Europeia e na plataforma digital Spotify.

Cada episódio resultou de uma conversa informal com convidados desta área, onde foram tratados os mais diversos temas das Ciências da Saúde, moderados por Adalberto Campos Fernandes, coordenador estratégico da área de Ciências da Saúde da Universidade Europeia, e por Sandra Martins, docente e coordenadora da área da Psicologia e Desporto da Universidade Europeia.

O tema da Saúde e Ética Social e a pergunta “Pode existir Ética Social sem acesso equitativo à Saúde?” é respondida e clarificada por Maria de Belém Roseira, antiga ministra da Saúde e presidente do Advisory Board da Universidade Europeia, no último episódio desta temporada. A reitora da Universidade Europeia, Hélia Gonçalves Pereira, num dos primeiros episódios lançados, fala sobre os maiores desafios da instituição no ensino da Saúde e os principais objetivos deste processo.

Vasco Antunes Pereira, CEO da Lusíadas Saúde, dá a conhecer alguns dos desafios presentes na Gestão em Saúde e como conciliar a excelência clínica com uma gestão eficiente, e Germano de Sousa, médico, fundador e administrador dos Laboratórios Germano de Sousa) reflete sobre as novas fronteiras do diagnóstico e o papel da inovação diagnóstica no progresso da Medicina.

As temáticas da Saúde Digital e a Influência da Transformação Digital nos Sistemas da Saúde são destacadas por José Mendes Ribeiro, economista, fundador e administrador CESADI, Centro de Saúde Digital. Já Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas e coordenadora da área de Nutrição da Universidade Europeia, aborda o tema Saúde e Nutrição para, de uma forma simples e clara, responder à questão “É possível viver melhor com uma alimentação diferente?”.

Paulo Maia, médico dentista e coordenador da área de Medicina Dentária da Universidade Europeia, conversa sobre o futuro da especialidade. “É possível evitar a despersonalização da Medicina?” é a questão respondida por Manuel Barbosa, médico imunoalergologista e coordenador da área de Biociências da Saúde da Universidade Europeia. 

“A primeira temporada do podcast “A Receita para…” mostrou-nos que é este o caminho a seguir. Queremos continuar a investir na área da Saúde para dar uma resposta qualificada às carências que permanecem neste campo. A Universidade Europeia conseguiu, com a ajuda de profissionais de excelência, desconstruir e simplificar temas que interessam a todos e que, por vezes, continuam a ser demasiado complexos para o público em geral. Por tudo isto, podemos confirmar o sucesso deste projeto e a nossa pretensão em continuá-lo”, destaca Lourdes Martin, diretora executiva da área das Ciências da Saúde da Universidade Europeia.

As Ciências da Saúde representam “uma área estratégica para a Universidade Europeia, na qual tem investido e promovido um processo inovador de educação integrada, através da qual os estudantes, das diferentes áreas disciplinares, adquirem conhecimentos e competências, de forma partilhada, tendo em vista as experiências futuras, ao longo da sua vida profissional, assente num Modelo Académico inovador, centrado na aprendizagem experiencial e transversal a todas as áreas da instituição e evidenciado nesta área de conhecimento”, lê-se em comunicado.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.