Solução digital para recuperar das dores “em casa, sem recorrer a cirurgias ou opióides”
DATA
07/07/2022 09:15:21
AUTOR
Jornal Médico
Solução digital para recuperar das dores “em casa, sem recorrer a cirurgias ou opióides”

A startup portuguesa, Sword Health, responsável pela primeira solução digital para o tratamento de patologias músculo-esqueléticas, anuncia o lançamento de uma nova marca que “reflete a sua missão de libertar 2 mil milhões de pessoas da dor”, lê-se em comunicado.

“Estamos a anunciar o início de um movimento global para libertar o mundo da dor", afirma Virgílio Bento, fundador e CEO da Sword Health. "É muito mais do que apenas um novo olhar e uma nova sensação para nós, é o culminar de anos de investigação e desenvolvimento, destinados a apoiar o objetivo central de curar a dor das pessoas. Estamos confiantes que este movimento expressa tanto a transformação da nossa empresa como um todo, como o futuro de um mundo sem dor".

Atualmente, a Sword Health posiciona-se na área das soluções digitais para o tratamento de patologias músculo-esqueléticas. A empresa acredita no poder das pessoas recuperarem em casa, sem recorrer a cirurgias ou opióides. Desde o seu lançamento em 2015, a Sword Health tem trabalhado com seguradoras, sistemas de saúde e empregadores em todo o mundo para tornar os cuidados físicos acessíveis a todos.

Saiba mais, aqui.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.