Monkeypox: regulador da UE recomenda vacina contra varíola para prevenção da doença
DATA
25/07/2022 11:11:23
AUTOR
Jornal Médico
Monkeypox: regulador da UE recomenda vacina contra varíola para prevenção da doença

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) recomendou a 22 de julho, a aprovação do alargamento da vacina usada no combate à varíola, para a proteção de adultos contra o vírus Monkeypox, após estudos clínicos que a revelaram eficaz e segura.

A EMA informa que o seu comité de medicamentos humanos “recomendou o alargamento da indicação da vacina contra a varíola para incluir a proteção dos adultos contra a doença da varíola macaco”.

Esta vacina foi aprovada na UE em 2013 para a prevenção da varíola, contendo uma forma atenuada de um vírus semelhante.

A conclusão da EMA é que esta foi agora “considerada uma vacina potencial para a varíola macaco devido à semelhança entre o vírus Monkeypox e o vírus da varíola”, indica o regulador da UE.

A recomendação é baseada em vários estudos com animais que mostraram proteção contra o vírus da varíola em primatas não humanos, tendo o comité de medicamentos humanos da EMA verificado que a “eficácia da vacina na prevenção da doença da Monkeypox em humanos poderia ser inferida a partir destes estudos”.

“Para confirmar a eficácia da vacina contra a varíola do macaco, a empresa recolherá dados de um estudo observacional que será realizado durante o surto de Monkeypox em curso na Europa”, assinala o regulador europeu.

Para já, a EMA ressalva que “o perfil de segurança do medicamento é favorável, com efeitos secundários leves a moderados”, pelo que “os benefícios do medicamento são maiores do que os riscos”.

Segundo a DGS, uma pessoa que esteja doente deixa de estar infecciosa apenas após a cura completa e a queda de crostas das lesões dermatológicas, período que poderá, eventualmente, ultrapassar quatro semanas.

Os sintomas mais comuns da doença são febre, dor de cabeça intensa, dores musculares, dor nas costas, cansaço, aumento dos gânglios linfáticos com o aparecimento progressivo de erupções que atingem a pele e as mucosas.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.