Pneumologistas advertem para a prevalência e diagnóstico da DPOC em plataforma de e-learning
DATA
08/08/2022 13:40:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Pneumologistas advertem para a prevalência e diagnóstico da DPOC em plataforma de e-learning

“Impacto e prevalência da DPOC em Portugal” e “Importância do diagnóstico precoce” são os títulos dos módulos-vídeo que abrem o projeto de e-learning “Atualização e Formação em DPOC”, lecionados pelos pneumologistas António Morais e Marta Dummond, respetivamente. Os profissionais de saúde interessados podem assistir online gratuitamente ou rever, se for o caso, o ciclo completo desta formação disponível na plataforma.

O pneumologista do Centro Hospitalar e Universitário de S. João e presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), António Morais, é o primeiro formador desta iniciativa do Jornal Médico, com o apoio da Bial e com o apoio científico da própria SPP, dirigida a profissionais de saúde.

Numa linguagem direta e assente nos mais recentes dados disponíveis, António Morais traça os factos e os números da DPOC, advertindo desde logo a necessidade de um estudo epidemiológico nacional, que permita à comunidade médica e decisora saber “em que fase estamos relativamente a esta doença tão relevante”, afirma.

É de notar que a prevalência da doença está relacionada com hábitos tabágicos e com a poluição, e que a maior parte dos doentes, classificados com DPOC, “não têm espirometria de base”, alerta do pneumologista do CHUSJ.

Já o segundo módulo é lecionado por Marta Dummond, pneumologista do Centro Hospitalar e Universitário de S. João e professora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

A especialista identifica os passos a tomar para reverter o subdiagnóstico desta patologia respiratória. “Números do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias de 2016 mostram que, nos Cuidados de Saúde Primários (CSP), estavam inscritos 131.632 doentes com DPOC, dos quais apenas 32,3 % com diagnóstico confirmado por espirometria. No entanto, verifica-se que, apesar destes números, a DPOC continua subdiagnosticada em Portugal”. É este o retrato feito por Marta Drummond, que se pretende reverter.

São ainda explicados os fatores de risco definidos pela Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease (GOLD), considerados fundamentais para diagnóstico de DPOC. Manifestando que devem ser feitos rastreios dos fatores de risco, incluindo as alterações precoces na primeira infância.  Assista ao módulo e fique a conhecer os critérios de gravidade da DPOC e como deve ser feita a interpretação do exame de espirometria.

A iniciativa de e-learning “Atualização e Formação em DPOC” é dirigida a profissionais de saúde das áreas: Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna e Pneumologia, abrangendo ainda médicos internos do Ano Comum e outras especialidades com interesse na DPOC.

Conheça o painel de formadores e assista, ou reveja, todos os módulos acedendo à plataforma, através de registo.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.