Cientistas identificam biomarcador para melhorar eficácia de tratamento do cancro do pâncreas
DATA
12/09/2022 09:28:11
AUTOR
Jornal Médico
Cientistas identificam biomarcador para melhorar eficácia de tratamento do cancro do pâncreas

Cientistas da Fundação Champalimaud identificaram um biomarcador "mais fiável para avaliar e melhorar a eficácia dos tratamentos" do cancro do pâncreas, um dos mais letais, divulgou a instituição. O biomarcador em questão refere-se às vesículas extracelulares, "mini-células produzidas por praticamente por todas as células, incluindo as cancerosas", lê-se.

"Se os cancros muito agressivos, como o adenocarcinoma ductal pancreático, utilizam as vesículas extracelulares para desarmar o sistema imunitário, poderemos desenvolver novas terapias que tenham como alvo as vesículas extracelulares derivadas do tumor, tornando assim esses cancros menos resistentes aos tratamentos", assinala Bruno Costa-Silva, coordenador do este estudo e do laboratório que se debruça sobre os sistemas biológicos que suportam a doença oncológica. O adenocarcinoma ductal pancreático é o principal tipo de cancro do pâncreas, podendo até 2030 ser "a segunda causa de morte por cancro", refere o comunicado.

A cirurgia continua a ser "o tratamento mais eficaz", mas para a maioria dos doentes, 70 a 80%) "não é uma opção viável". Os tratamentos podem incluir, ainda, radioterapia e quimioterapia. Atualmente, a avaliação da resposta dos doentes aos tratamentos baseia-se em exames de imagiologia (ressonância magnética e tomografia computorizada) e na mediação dos níveis de biomarcadores do cancro no sangue.

Porém, os exames vulgarmente usados "são incapazes de detetar pequenos tumores e de diferenciar os tumores benignos dos malignos" e "mesmo o mais comprovado biomarcador" do adenocarcinoma ductal pancreático "está ausente" em 5 a 20% dos doentes, adianta o comunicado da Fundação Champalimaud.

Em estudos anteriores, a equipa de Bruno Costa-Silva concluiu que as vesículas extracelulares (que têm material genético, proteínas e açúcares) que circulam no sangue podem ser usadas para "detetar, prever e localizar" as metástases do cancro do pâncreas, que "tem uma taxa de sobrevivência a cinco anos de 9%".

O novo estudo, hoje publicado na revista da especialidade Cells Journal, verificou que as vesículas extracelulares de doentes com adenocarcinoma ductal pancreático "apresentavam níveis significativamente superiores de certas proteínas específicas em relação às vesículas extracelulares de pessoas saudáveis", nas palavras do oncologista Nuno Couto, que também participou no trabalho.

As proteínas em causa são as imunoglobulinas G (IgG), anticorpos produzidos pelo sistema imunitário do organismo para combater agentes infecciosos, como bactérias, vírus ou parasitas, ou células cancerígenas. A equipa de cientistas da Fundação Champalimaud descobriu, a partir de "minúsculas amostras de sangue" de doentes, que as vesículas extracelulares "positivas para as IgG aumentam durante a progressão da doença" pancreática e "diminuem em resposta à terapia".

Estas vesículas extracelulares "representam um novo biomarcador, que alarga o repertório de ferramentas disponíveis para avaliar o estado do tumor, em particular para os muitos doentes cujas células tumorais não apresentam o biomarcador standard atual e para os quais as imagens" dos exames - ressonância magnética e tomografia computorizada - são o "único indicador de resposta ao tratamento", salienta o mesmo comunicado da Fundação Champalimaud.

Os cientistas descobriram, ainda, que as IgG se ligam às vesículas extracelulares dos doentes com adenocarcinoma ductal pancreático através de um antigénio (proteína estranha ao organismo) conhecido do cancro, pelo que "suspeitam que as vesículas extracelulares que apresentam esse antigénio sejam libertadas pelo próprio cancro, fazendo com que as IgG se liguem às vesículas extracelulares em vez de se ligarem ao seu alvo designado, as células cancerosas".

Saiba mais acerca do estudo, aqui.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.