Ordem quer fiscalização da norma sobre contratação de médicos sem especialidade
DATA
16/09/2022 09:52:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Ordem quer fiscalização da norma sobre contratação de médicos sem especialidade

A Ordem dos Médicos (OM) solicitou a várias entidades que requeiram ao Tribunal Constitucional a fiscalização da norma do Orçamento do Estado que prevê a contratação de clínicos não especialistas para colmatar a falta de médicos de família.

Em comunicado, a OM refere que “não detém” legitimidade, à luz da lei, para requerer a fiscalização abstrata sucessiva das normas em causa do Orçamento do Estado para 2022 e que, por essa razão, requer que “seja intentado o competente processo de fiscalização junto do Tribunal Constitucional”.

Esta posição foi aprovada no plenário do Conselho Nacional da Ordem e surge na sequência da possibilidade de contratação de clínicos sem especialidade para colmatar a falta de médicos de família, uma medida que a anterior ministra da Saúde, Marta Temido, assegurou que pretende responder apenas aos casos de doença aguda, não contando para os rácios de cobertura de Medicina Geral e Familiar.

Para a OM, esta medida consubstancia “uma grave violação do Direito da União Europeia”, uma vez que coloca em causa as obrigações dos Estados-membros, neste caso de Portugal, previstas numa diretiva comunitária sobre o reconhecimento das qualificações profissionais.

“Em particular, é violado o artigo 29.º da Diretiva que faz depender o exercício da atividade de médico especialista em Medicina Geral e Familiar no âmbito do respetivo Serviço de Saúde da posse de um dos títulos de formação que a própria diretiva identifica”, refere a Ordem, ao avançar que, por essa razão, enviou a sua exposição também à Comissão Europeia.

Além disso, sublinha a OM, a norma em causa representa uma “grave violação do direito ao acesso aos cuidados de saúde e no direito à saúde” consagrados na Constituição. “O princípio da igualdade impõe aos poderes públicos (e ao legislador) a obrigação de um tratamento igual de todas as pessoas individuais perante a lei e uma proibição de discriminações infundadas, sem prejuízo de impor diferenciações de tratamento entre pessoas, quando existam especificidades relevantes que careçam de proteção”, refere o documento.

Segundo a ordem liderada por Miguel Guimarães, ao atribuir a médicos não diferenciados a responsabilidade por listas de utentes que não possuem médico de família, a norma em causa está a “ferir o princípio da universalidade e a discriminar estes utentes no acesso aos cuidados de saúde primários, impedindo-os de aceder a cuidados diferenciados, sem que existam situações fundamentadas que justifiquem este tratamento desigual”.

O documento salienta também que a “medida a adotar nem sequer é provisória”, uma vez que o contrato do médico não diferenciado pode atingir até três anos de vigência, o que quer dizer que o utente pode permanecer na lista do clínico não especialista por esse período de tempo.

A OM alerta que a atribuição da responsabilidade pelo atendimento de utentes nos cuidados de saúde primários a médicos não especialistas, “além de constituir uma violação das qualificações profissionais e das carreiras médicas que se encontram consagradas no Serviço Nacional de Saúde”, representa também um “recuo na qualidade dos cuidados de saúde primários que, de há décadas, contribuem para a melhoria dos índices de saúde em Portugal”.

De acordo com dados do Governo, cerca de 1,4 milhões de pessoas não têm médico de família atribuído em Portugal.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.