Ordem dos Médicos desafia diretor-executivo do SNS a visitar hospitais do interior
DATA
06/10/2022 09:12:34
AUTOR
Jornal Médico
Ordem dos Médicos desafia diretor-executivo do SNS a visitar hospitais do interior

Após uma reunião com médicos que exercem funções no hospital de Portalegre, o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Valentim Lourenço, desafiou o diretor-executivo do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a visitar os hospitais do interior, em particular os do Alentejo, para conhecer a “realidade” e dar "autonomia" a estas unidades.

“É preciso que o diretor-executivo venha as estas regiões, perceba estas regiões e depois dê autonomia, para dentro das regras gerais se organizarem, para resolver estes problemas”, defendeu o presidente o representante da OM. Este alertou que o Alentejo “é uma região muito vasta” e tem de ter soluções que se adaptem aos problemas relacionados com a demografia e envelhecimento das populações.

“O apoio à população envelhecida, o apoio da psiquiatria no Alentejo, deve seguir o mesmo que se fez para a oncologia. Existe um serviço regional para todo o Alentejo e foi uma forma deles se organizarem para haver apoio no cancro de uma forma generalizada em torno de todos os distritos do Alentejo, isto tem de ser feito para todas as áreas em que faça sentido”, defendeu.

Em relação à natalidade e aos serviços de obstetrícia nos hospitais do interior, Alexandre Valentim Lourenço avisou que se corre o “risco” de não existir capacidade para existirem “tantos pontos” de assistência na maternidade, nomeadamente no parto.

Por conseguinte, o representante da OM defende que é preciso “organizar de outra forma” esses serviços, para dar respostas nesses locais. “Neste momento, temos maternidades em todo o interior de norte ao sul que fazem 200 ou 300 partos por ano, isso é um parto por dia e temos uma equipa que tem de ter dois médicos, oito enfermeiros. É difícil mantê-los com a qualidade e segurança que estes nascimentos necessitam”. explicou.

“É possível termos respostas locais, há formas de o fazer, de maneira a conseguirmos manter a natalidade e até melhorarmos as condições de segurança dessas populações”, acrescentou.

Questionado se esta reestruturação implica o encerramento de maternidades, Alexandre Valentim Lourenço explicou que pode ter de se “concentrar algum tipo de serviços” e não os fazer de forma “exatamente igual” em todas as maternidades.

Já sobre a fixação de médicos no interior e em particular no hospital de Portalegre, o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos recordou que aquela unidade hospitalar “tem apresentado frequentemente algumas deficiências”, mas tem um conjunto de profissionais “muito empenhados”.

O representante da OM defende que “é importante” que o hospital tenha soluções locais para manter os jovens profissionais, “autonomia” para implementar essas medidas, mas também que as autarquias e a região “lhes possam proporcionar” esse tipo de apoio. “É um esforço coletivo para atrair médicos e para os fixar, não pode ser feito apenas de uma forma administrativa”, defendeu.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.