Estudo demonstra que as mulheres ainda vivem com mais doenças do que os homens
DATA
14/11/2022 10:26:10
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Estudo demonstra que as mulheres ainda vivem com mais doenças do que os homens

De acordo com um estudo lançado a 10 de novembro pela Médis, 53% das mulheres têm pelo menos uma doença diagnosticada e 21% vivem mesmo com mais de duas doenças. Em comparação, os homens ficam-se pelos 50% e 11%, respetivamente. Na doença mental a diferença entre os sexos agrava-se: 16% das mulheres têm uma doença diagnosticada, enquanto os homens correspondem a uma percentagem de 6%. 

Os dados são avançados em “A Saúde das Mulheres, um potencial a alcançar”, um projeto desenvolvido pela Return On Ideas e promovido pela Médis, do Grupo Ageas Portugal, e confirmam o contrassenso de que apesar de uma maior longevidade e cuidado consigo mesmas, as mulheres têm pior Saúde Física e Mental do que os homens. Esta incoerência foi inicialmente observada em 2021, em “A saúde dos Portugueses - um BI em nome próprio”, dando origem ao trabalho de investigação que agora se apresenta. Ambos os estudos fazem parte do Saúdes, um projeto cujo objetivo é contribuir para a produção de conhecimento, a reflexão e o debate público em torno da Saúde. 

Além do défice em relação à doença, esta análise foca-se ainda em diversos indicadores no que se refere à dor, saúde e bem-estar. Em todos eles as mulheres pontuam pior do que os homens. 

31% de mulheres, vs. 19% de homens, acusa dor intensa, muito intensa ou insuportável. Em muitos casos, verifica-se uma normalização da dor, ou seja, a mesma é aceite com resignação e sem despoletar a procura de algum tipo de ajuda.

Quando as mulheres tiveram de avaliar o seu estado de saúde, numa escala de 1 a 10 a pontuação é de 6.8,  enquanto nos homens o valor situa-se nos 7.4. Ainda sobre esta temática, 23% das mulheres consideram-se pouco saudáveis e na faixa etária dos 40+ esta percentagem sobe para os 25%, vs. 13% dos homens com a mesma idade.

No bem-estar o desequilíbrio não se altera, facto comprovado através dos resultados do estudo. Mais de metade das mulheres mostram um nível de bem-estar baixo ou muito baixo (59% das mulheres vs. 50% dos homens) e 73% afirmam sentir ansiedade.

As 4  bolsas de mal-estar e as forças propulsoras da mudança

Menstruação, gravidez, menopausa e a relação com o corpo são identificadas como as quatro bolsas de mal-estar que afetam as mulheres. Se é verdade que a biologia, a fisionomia e a própria histórica explicam, em parte, estas bolsas de mal-estar, o estudo mostra como a falta de informação e de consciência e, sobretudo, a normalização do “não estar bem” agravam o problema e contribuem para a desigualdade na saúde e bem-estar que se verifica entre os géneros. “O facto de estarem sujeitas a um ciclo de vida mais acidentado (porque reprodutivo) que os homens, não quer dizer que, necessariamente, as mulheres tenham que se acomodar ao desconforto e normalização do sofrimento, como se de uma fatalidade, de uma inevitabilidade se tratasse”, afirma o responsável científico do estudo e professor catedrático de medicina, Dr. Miguel Oliveira da Silva.

Segundo esta análise, em algum desenvolvimento de pesquisa e de tecnologia, no lançamento de certas marcas e produtos e no aparecimento de certos factos e movimentos sociais, já se nota o despertar da consciência e a vontade de mudar, mas há ainda muito para fazer. É, defende o estudo, pelo maior conhecimento e consciencialização, que as mulheres podem chegar a um novo paradigma na sua saúde e bem-estar, sendo este o principal ponto que se deve alterar. Via dados e conhecimento produzidos, quere-se provocar a discussão e acelerar a ação, e assim contribuir para alcançar o potencial de bem-estar ambicionado

O estudo Saúdes foi divulgado no dia 10 de novembro, numa conferência realizada na NOVA Medical School, entre as 10h15 e as 12h00, para discutir a saúde e bem-estar das mulheres, juntando em debate Miguel Oliveira da Silva, Maria João Marques, Teresa Bartolomeu e Adalberto Campos Fernandes.

Pode saber mais sobre o estudo Saúdes aqui: https://www.saudes.pt/

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.

Mais lidas