APMGF promove redução da pegada carbónica e contribui para fundar Conselho Português para a Saúde e Ambiente
DATA
23/11/2022 11:47:52
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



APMGF promove redução da pegada carbónica e contribui para fundar Conselho Português para a Saúde e Ambiente

A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) aprovou na sua última Assembleia Geral um documento estratégico para a redução da pegada carbónica da Associação, requisito para pertencer ao Conselho Português para a Saúde e Ambiente (CPSA), organização fundada com o intuito de intervir nas questões das alterações climáticas e degradação ambiental que afetam a saúde das populações.

Em comunicado no próprio website da APMGF, pode ler-se que “com este passo, a APMGF pode dar sequência ao seu trabalho no seio do CPSA, uma entidade de que é membro fundador, em conjunto com mais 36 organizações, a maioria representante da área médica, de diversas especialidades e sectores, a que se juntam estruturas representativas da indústria farmacêutica, da academia, da Medicina Veterinária, entre outras”.

De recordar que a primeira Assembleia Geral do CPSA decorreu no passado dia 31 de outubro de 2022, na Fundação Calouste Gulbenkian, reunião que permitiu a tomada de posse dos corpos diretivos da organização e a aprovação dos seus estatutos. A sessão, dinamizada por Luís Campos, presidente da direção do CPSA e João Queiroz e Melo, vice-presidente do CPSA, que fizeram um diagnóstico alarmante da saúde global com base na evidência de que as alterações climáticas e a degradação dos ecossistemas já estão a ter um impacto significativo nas populações, ameaçando o futuro da humanidade.

Saiba mais, aqui.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.