Lisboa recebe celebrações do 84.º aniversário da Ordem dos Médicos já amanhã
DATA
25/11/2022 11:39:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Lisboa recebe celebrações do 84.º aniversário da Ordem dos Médicos já amanhã

Lisboa recebe comemorações do 84.º aniversário da Ordem dos Médicos, assinalado com cerimónia de Juramento de Hipócrates, já amanhã, 26 de novembro. As cerimónias começaram ontem, 24 de novembro, no Porto, com 599 jovens médicos presentes. 

Segue-se Braga, hoje, 25 de novembro, no Altice Fórum Braga, com a presença de 250 jovens médicos, e Lisboa dia 26, na Aula Magna. A cidade da Covilhã acolhe o Juramento de Hipócrates no dia 3 de dezembro, na Universidade da Beira Interior, e Coimbra acolhe os novos médicos no dia 10 de dezembro, no Convento São Francisco.

“É com orgulho que irei representar esta nova geração de médicos, que se preparam para integrar o Serviço Nacional de Saúde onde tanta falta fazem. Não é menos importante conseguir reter estes médicos no SNS para que não se sintam mais valorizados no estrangeiro ou no setor privado”, destaca o bastonário da Ordem dos Médicos, numa altura em que a saúde está, novamente, a atravessar uma fase difícil pela crescente pressão da época outono-inverno. 

O mais antigo Juramento profissional marca a consagração da vida dos médicos ao serviço da humanidade. Os futuros médicos juram perante os mestres e as suas famílias exercer a sua arte com consciência e dignidade e a Saúde do seu doente será a sua primeira preocupação. 

A Ordem dos Médicos comemora também os 84 anos da sua criação pelo Decreto-Lei n.º 29/171 de 24 de novembro de 1938 honrando todos os médicos portugueses pelo trabalho que, todos os dias, colocam em prática para salvar vidas. Completam-se 84 anos de história na representação dos médicos, na defesa dos doentes e da qualidade da medicina, construindo um caminho de ética, dignidade, humanismo e solidariedade.

É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.