A Escola Superior de Saúde da Universidade de Aveiro (ESSUA) vai lançar uma plataforma online dedicada à reabilitação respiratória para ajudar doentes, familiares e profissionais de saúde.

Published in Atualidade

O parlamento aprovou, hoje, uma recomendação apresentada pelo BE para o reforço do atendimento médico à população de Nossa Senhora de Fátima, no concelho de Aveiro.

Published in Atualidade
segunda-feira, 04 junho 2018 12:10

Aveiro: BE quer ver cuidados de saúde melhorados

O Bloco de Esquerda (BE) agendou, para esta quarta-feira, a discussão de um projeto de resolução para reforçar os cuidados médicos e de enfermagem na extensão de saúde de Nossa Senhora de Fátima, em Aveiro.

Published in Atualidade

WHD

O Dia Mundial da Hipertensão (DMH), que se comemora hoje, vai ser assinalado na cidade de Aveiro com uma série de iniciativas que têm como objetivo alertar para esta doença silenciosa que afeta quase metade da população portuguesa.

Aveiro foi a cidade eleita para acolher as atividades comemorativas do DMH, uma iniciativa da World Hypertension League, à qual a Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) se associa, pretendendo sensibilizar a população para a necessidade de conhecer os valores da pressão arterial.

Aliando-se à campanha mundial cujo lema é “Conheça os seus valores. Controle a sua pressão arterial”, a SPH relembra a importância de medir a pressão arterial frequentemente, praticar exercício físico regular e reduzir o consumo de sal, para combater a hipertensão, doença que afeta 42% dos portugueses.

Durante todo o dia, vão realizar-se naquela cidade rastreios médicos à pressão arterial, glicémia capilar e índice de massa corporal, aconselhamento nutriconal, atividade física – com caminhadas, exercícios físicos e dança –, bem como atividades dirigidas aos mais novos com o objetivo de educar para a saúde.

A alimentação saudável e a redução de consumo de sal continuam a ser as grandes prioridades para a SPH e, por isso, este dia vai ser marcado por dois momentos de Show Cooking, um de manhã e outro de tarde, e por ementas especialmente concebidas para este dia pelos restaurantes da cidade.

As comemorações do DMH também vão ser assinaladas em Lisboa com atividades dirigidas aos mais novos, protagonizadas pelo herói infantil Mister Sal, no Externato Educação Popular, e ainda com a peça de teatro “Com Peso e Medida”.

“As consequências da hipertensão podem não ser imediatas, até porque se trata de uma doença assintomática numa fase inicial, mas a longo prazo pode dar origem a problemas mais graves como o acidente vascular cerebral, enfarte agudo do miocárdio e doenças renais”, refere o presidente da SPH, José Mesquita Bastos.

Published in Mundo
terça-feira, 19 abril 2016 13:00

Aveiro com duas novas unidades de saúde familiar

usf_ilustracao

O município de Aveiro vai passar a dispor de duas novas unidades de saúde familiar, em Esgueira e Cacia, cujas obras foram agora concluídas e devem entrar em funcionamento no dia 26 de abril, informou hoje a autarquia.

As duas novas unidades de saúde familiar, que correspondem a um investimento de cerca de dois milhões de euros, financiado por fundos comunitários através do Programa Operacional do Centro, devem, no entanto, ser formalmente inauguradas no próximo sábado.

As novas unidades de saúde de Esgueira e Cacia “representam duas importantes operações para a melhoria da qualidade na prestação de cuidados de saúde aos cidadãos”, salienta uma nota da Câmara Municipal.

A autarquia salienta, também, a qualificação urbana resultante da construção dos novos edifícios, nomeadamente pelo arranjo dos espaços exteriores.

A unidade saúde familiar de Cacia custou cerca de 850 mil euros e, além do edifício, inclui uma zona de jardim e estacionamento.

Situada no centro de Cacia, no cruzamento da avenida Fernando Augusto de Oliveira com a rua conselheiro Nunes da Silva, a nova unidade de saúde estava prevista há vários anos, mas a obra só teve início “depois da resolução de um complexo processo para aquisição dos terrenos, que terminou apenas em outubro 2014” e após ter sido concedido o visto do Tribunal de Contas.

A outra unidade de saúde que vai abrir portas situa-se em Esgueira, uma das freguesias da cidade, e corresponde a um investimento na ordem dos 800 mil euros, também comparticipado pelo Programa Operacional do Centro e pelo Ministério da Saúde.

O executivo municipal conta prosseguir o investimento na área da saúde através de financiamento acordado no Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da região, tendo programadas obras de requalificação das unidades de saúde familiar de Aradas, Eixo, Oliveirinha, São Bernardo e São Jacinto.

Published in Mundo

hospitaldeaveiro

A grande maioria dos doentes que estiveram internados no Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV), no primeiro semestre deste ano, dizem que recomendariam os serviços de internamento a outras pessoas, segundo um estudo ontem apresentado.

O estudo para avaliar o serviço de internamento no CHBV, que agrega os hospitais de Aveiro, Águeda e Estarreja, revela que, em caso de necessidade, 94,7% dos utentes recomendariam o centro hospitalar a amigos e familiares, tendo 69,5% escolhido a opção "definitivamente sim".

Os resultados do mesmo estudo mostram que 47,9% dos inquiridos avaliaram globalmente os serviços de internamento com a melhor nota possível (classificação 10).

Quando questionados acerca do desempenho do pessoal, 57,6% dos entrevistados atribuíram a nota 10 aos médicos e 54,1% deram a mesma classificação aos enfermeiros. No caso dos auxiliares, 51,2% atribuíram a nota máxima.

O estudo revela ainda que 40,6% dos utentes deram a melhor apreciação possível ao ambiente e o espaço físico hospitalar, aquando da situação de internamento.

Na análise por serviço, verifica-se que Medicina II, com uma média de 7,82 valores, foi o que teve o pior resultado, mas para o director clínico do CHBV, Paulo Ferreira, não houve más classificações.

"Temos excelentes classificações e num ou noutro ponto há uma ligeira diminuição, que não é estatisticamente significativa", disse Paulo Ferreira, que se referiu a este estudo como uma "ferramenta de trabalho que permite aos profissionais de saúde ter uma perspectiva da satisfação dos utentes".

O estudo para avaliar o serviço de internamento no CHBV foi realizado pelo Centro de Investigação em Marketing e Análise de Dados da Universidade de Aveiro (UA) entre os dias 22 de Setembro e 10 de Outubro.

No total, o estudo abrangeu 601 indivíduos dos 7.453 doentes internados nos serviços dos Hospitais de Aveiro, Águeda e Estarreja.

Os participantes responderam por telefone a um questionário contendo 36 perguntas, nomeadamente sobre o desempenho do pessoal do Hospital, enfermeiros, médicos e pessoal auxiliar, e o ambiente e espaço físico.

Durante a apresentação dos resultados, o presidente do CHBV, José Abrantes Afonso, afirmou que este estudo "mostra a vontade do conselho de administração do CHBV de prestar contas à população". O mesmo responsável revelou ainda que em meados de Dezembro, deverão ser apresentados os resultados obtidos na cirurgia em ambulatório.

No próximo ano, a administração do centro hospitalar pretende implementar um questionário de satisfação dos doentes ao nível do serviço de urgência do Hospital de Aveiro e do serviço de consulta externa do CHBV.

Published in Mundo
quinta-feira, 23 outubro 2014 17:35

18º Congresso Português de Obesidade

congresso_obesidade

Aveiro vai receber o 18º Congresso Português de Obesidade, nos próximos dias 24, 25 e 26 de Outubro. Este ano, a realização do evento coincide com o 25º aniversário da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO).

É esperada a presença de mais de três centenas de participantes nesta reunião, desde médicos a nutricionistas e dietistas, especialistas do exercício, farmacêuticos e psicólogos, para debaterem os mais recentes avanços no tema. Estão também programadas várias actividades para a população geral. Especificamente para as crianças vão ser realizadas sessões lúdicas de educação alimentar, prevendo-se a participação de mais de 300 crianças.

Num país onde o excesso de peso e obesidade correspondem a 52,3% da população e, onde há mais de cinco milhões de pessoas com este problema, a SPEO apela ao uso de roupa de cor azul durante estes dias. Aliás, os participantes do Congresso vão ser convidados a usar um nó azul na lapela como sinal do seu empenhamento na luta contra esta epidemia.

Nas comemorações de um quarto de século de existência, a SPEO vê reconhecida internacionalmente a qualidade do seu trabalho nesta área tendo-lhe sido atribuída a organização no Porto, em Maio de 2017, do Congresso Europeu de Obesidade. Evento este que trará a Portugal mais de três mil especialistas mundiais da área.

Impacto económico da obesidade

A obesidade é responsável por 61% dos casos de diabetes, 17% dos casos de hipertensão, 17% dos casos de doença coronária, 30 % dos casos de litíase biliar, 24% dos casos de osteoartrite, 34% dos casos de cancro do útero, 11% dos casos de cancro da mama, 11% dos casos de cancro do cólon.

A obesidade tem assim significativo impacto económico. Em 2002, um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública indicou que os custos totais com esta doença em Portugal foram de cerca de 500 milhões de euros, representando 4,2% dos gastos em saúde em Portugal, isto é, um aumento de 29% em seis anos. Os custos directos foram estimados em 297 milhões de euros e correspondiam a 2,5% dos gastos em saúde, sendo os indirectos de 199,8 milhões de euros. Doze anos depois os custos serão seguramente maiores, como se comprova pelo aumento dramático da prevalência de diabetes.

Published in Mundo

hospitaldeaveiro

A Saúde no concelho de Aveiro “padece de vários males”, segundo a comissão de utentes de Saúde de Aveiro, que hoje realizou uma reunião pública, com vista a elaborar uma “Carta de intenções” para a Saúde.

Demora excessiva nas urgências hospitalares, aumento de listas de espera para consultas, falta de especialidades, médicos de família em número insuficiente e dificuldades no transporte de doentes são os traços do retrato à Saúde em Aveiro, feito pela comissão de utentes.

António Nabais, da comissão, relatou haver situações de demora na Urgência do Hospital de Aveiro “que chegou a 12 horas”, apesar da administração do Centro Hospitalar do Baixo Vouga “argumentar existir concentração de médicos” naquela unidade hospitalar.

A perda de algumas especialidades no Hospital de Aveiro é outro motivo de preocupação para a comissão de utentes, dando como exemplo a Maternidade ou o serviço de Hematologia, “que apenas está a seguir os doentes que já possuía, enquanto os novos são encaminhados para Coimbra”.

Noutras especialidades, segundo a comissão, as listas de espera são cada vez maiores e se os médicos não chegam no Hospital, o mesmo se passa nos Centros de Saúde: “faltam médicos de família porque há médicos que se estão a reformar e não são substituídos”.

O problema das dificuldades no transporte de doentes foi levantado por Milton Matos, para quem “há falta de fiscalização às empresas de ambulâncias, algumas das quais operam sem os meios adequados e sem pessoal qualificado”.

Quanto às corporações de bombeiros “não têm ambulâncias disponíveis em número suficiente” para transportar doentes aos tratamentos.

“Houve até uma situação extrema no princípio do ano, em Aveiro, em que não havia uma única ambulância disponível no concelho, porque estavam todas em espera no Hospital”, descreveu Milton Matos.

O custo das taxas moderadoras foi igualmente discutido na reunião alargada de utentes, sendo considerado elevado. A comissão entende que o preço a pagar por uma deslocação à urgência hospitalar, na ordem dos 20 euros, acrescido do custo dos exames que forem necessários realizar, é já um factor que leva alguns utentes a evitar deslocarem-se ao Hospital, mesmo quando precisam.

Published in Mundo
Pág. 1 de 2
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas