A unidade de hospitalização domiciliária do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) vai iniciar a sua atividade em maio, num projeto que prevê atingir as 15 camas até ao final do ano.

Published in Atualidade

O hospital Curry Cabral, em Lisboa, inaugurou esta terça-feira uma unidade de radiologia de intervenção que tem “um equipamento único na Europa”, que permite enquadrar a TAC com a angiografia e realizar medicina de precisão.

Published in Atualidade

Luís Nunes é o novo diretor clínico do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), substituindo no cargo, a partir de hoje, António Sousa Guerreiro, que deixou as funções a seu pedido, anunciou hoje o centro hospitalar.

Published in Atualidade

Os assistentes hospitalares do Hospital D. Estefânia, em Lisboa, estão preocupados com o estado atual do serviço de urgência pediátrica e receiam que comprometa a segurança de utentes e profissionais.

Published in Atualidade
quinta-feira, 17 agosto 2017 10:23

CHLC inova na deteção do cancro da próstata

O Hospital de São José (Centro Hospitalar de Lisboa Central) é o primeiro hospital do Serviço Nacional de Saúde a realizar de forma regular, desde há cerca de ano e meio, a deteção do cancro da próstata com a mais recente e moderna tecnologia de fusão de imagem. 

Published in Atualidade

Hospital_generico

O Ministério da Saúde reconheceu mais hospitais como centros de referências para as áreas do cancro do reto, do hepatobilio/pancreático e do esófago, as doenças hereditárias do metabolismo e o transplante de rim e do coração (em adultos). O objetivo desta classificação é o de “retomar e dar um novo impulso ao processo de reconhecimento pelo Ministério da Saúde” nos centros de referência.

Foi ainda durante o mandato de Paulo Macedo que foram divulgados os primeiros centros de referência, criados para as áreas da epilepsia refratária, da onco-oftalmologia, da paramiloidose familiar, do transplante pulmonar, do transplante do pâncreas e do transplante hepático.

No despacho em questão são indicados os centros de referência para as áreas de oncologia de adultos (cancro do reto, cancro hepatobilio/pancreático e cancro do esófago), doenças hereditárias do metabolismo, transplante de rim e de coração (adultos).

Na área de oncologia de adultos (cancro do reto) foram reconhecidos o Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga, o Hospital Professor Doutor Fernando da Fonseca, a Sociedade Gestora do Hospital de Loures (Hospital Beatriz Ângelo) e o Centro Hospitalar de Leiria.

O cancro do esófago passa a ter como centro de referência o Centro Hospitalar do Porto. Na área de doenças hereditárias do metabolismo foi reconhecido o Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Na área do transplante do rim (adultos) foi destacado o Centro Hospitalar de Lisboa Norte; na área do transplante do coração passou a ser centro de referência o Centro Hospitalar de Lisboa Central, o Centro Hospitalar de São João e o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental.

Published in Mundo

Pé de Bebé

O bebé que nasceu da mãe em morte cerebral, agora com 30 dias de vida, teve ontem alta da maternidade, de acordo com o anúncio do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

“É com grande regozijo que o Centro Hospitalar de Lisboa Central informa que o pequeno Lourenço, nascido a 7 de junho, teve alta da maternidade, enquadrando os vários aspetos clínicos, sociais e psicológicos, pressupostos que constam de relatório próprio”, referiu o CHLC em comunicado.

O bebé nasceu com 2,350 kg, após uma gestação de 32 semanas, sem complicações durante e após o ato cirúrgico.

Recorde-se que, no mês passado, uma mulher grávida que estava em morte cerebral há 15 semanas deu à luz um bebé saudável, caso inédito em Portugal. Ficou acordado manter a gravidez até às 32 semanas para garantir a viabilidade do feto.

A morte cerebral da mãe, de 37 anos, foi declarada na sequência de uma hemorragia intracerebral. As equipas de Obstetrícia e da Unidade de Neurocríticos do Centro Hospitalar de Lisboa Central optaram por realizar uma cesariana programada.

Published in Mundo

RecemNascido

O bebé que nasceu com a mãe em morte cerebral já está a ser alimentado exclusivamente com leite humano e vai deixar os cuidados intensivos, anunciou ontem o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

Lourenço, que nasceu no passado dia 07 de junho no Hospital de São José com a mãe em morte cerebral há 15 semanas, “está clinicamente estável e a sua evolução prossegue favoravelmente”, não necessitando já de cuidados intensivos, adianta o CHLC em comunicado.

Segundo o comunicado, o bebé encontra-se “transferível para os Cuidados Intermédios da Unidade de Neonatologia”.

Informa ainda que o bebé está está a alimentar-se sem necessidade de soro.

Num comunicado divulgado no domingo, o centro hospitalar informava que o bebé estava com 2,210 kg, tendo aumentado 50 gramas relativamente ao dia anterior.

O nascimento do bebé no Hospital de São José é um facto inédito na Medicina portuguesa, tendo a presidente do Centro Hospitalar de Lisboa Central, Ana Escoval, afirmado no dia a seguir ao nascimento que o Hospital de São José viveu e testemunhou um “facto inédito”.

As equipas de Obstetrícia e da Unidade de Neurocríticos do Centro Hospitalar de Lisboa Central realizaram uma cesariana programada à mulher, que estava em morte cerebral desde 20 de fevereiro.

O bebé nasceu com 2,350 kg, após uma gestação de 32 semanas, sem complicações durante e após o ato cirúrgico.

A morte cerebral da mãe, de 37 anos, foi declarada na sequência de uma hemorragia intracerebral.

A Comissão de Ética e Direção Clínica do Centro Hospitalar de Lisboa Central deu o seu parecer e, em conjunto com a decisão da família da mãe e da família paterna da criança, acordaram manter a gravidez até às 32 semanas de maneira a garantir a viabilidade do feto.

Published in Mundo
Pág. 1 de 4
2020: Linhas de provocação de uma nova década com novas obrigações para novos contextos
Editorial | Rui Nogueira
2020: Linhas de provocação de uma nova década com novas obrigações para novos contextos

Este ano está quase a terminar e uma nova década vai chegar. O habitual?! Veremos! Na saúde temos uma viragem em curso e tal como há 40 anos, quando foi fundado o Serviço Nacional de Saúde (SNS), há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções.

Mais lidas