Displaying items by tag: Infarmed

quarta-feira, 31 dezembro 2014 14:57

Número de medicamentos utilizados aumentou 1,5% em 2014

medicamentos

O número de medicamentos utilizados em Portugal aumentou 1,5% em 2014 face ao ano anterior, estimando-se a dispensa de dois milhões de embalagens, com a comercialização dos genéricos a crescer para um quota de 46,3% de unidades dispensadas, segundo dados do Infarmed.

De acordo com um comunicado de imprensa da autoridade nacional do medicamento relativo ao ano de 2014, registou-se a dispensa de mais medicamentos que em 2013, com a utilização prevista de dois milhões de embalagens de medicamentos, o que equivale a um aumento em 1,5% face ao ano anterior, "a preços mais baixos".

Relativamente aos encargos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no mercado de ambulatório – incluindo subsistemas – continuam em linha com os de 2013, rondando os 1.160 milhões de euros.

Por outro lado, "o esforço dos cidadãos" com os medicamentos teve uma redução, estimando-se que os encargos sejam de 696 milhões de euros, ou seja, menos sete milhões de euros em relação ao ano passado.

Segundo o Infarmed, a comercialização de genéricos cresceu, face a 2013, “para uma quota de 46,3% de unidades dispensadas”. A utilização destes medicamentos permitiu “um potencial de poupança de 112 milhões de euros no período de Janeiro a Setembro, estimando-se que atinja os 150 milhões de euros até ao final do ano", refere o comunicado.

No mercado hospitalar prevê-se uma despesa de 969 milhões de euros, o que representa uma redução de 5,8 milhões de euros face a 2013 para o SNS. Em 2014 foram ainda aprovadas "22 substâncias activas para utilização em meio hospitalar, representando um aumento de 215% face a 2013, e 22 substâncias activas na área da comparticipação".

No período compreendido entre Janeiro e Setembro de 2014, “a inovação já representava para o SNS um investimento de 142 milhões de euros, valor acima dos 119 milhões de euros investidos pelo SNS em todo o ano de 2013", lê-se na nota do Infarmed.

Quanto à "acção inspectiva", em 2014 realizaram-se 1.358 inspecções a farmácias, distribuidores de medicamentos, fabricantes de medicamentos, entidades do circuito dos produtos cosméticos, entre outros, das quais resultaram 91 processos de contraordenação instaurados e 11 participações à Polícia Judiciária.

Published in Medicamento
Tagged under

medicamentos

O Infarmed anunciou que a elaboração do Formulário Nacional de Medicamentos está concluída, prevendo-se a sua divulgação para o início de 2015.

A elaboração e actualização do Formulário Nacional de Medicamentos (FNM), de utilização obrigatória pelos prescritores nos estabelecimentos e serviços do Serviço Nacional de Saúde (SNS), é competência da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica.

Este Formulário tem como objectivo assegurar a toda a população o acesso equitativo aos medicamentos com valor terapêutico acrescentado, no respeito pela garantia de acesso aos melhores tratamentos em todas as unidades do SNS. O Formulário é, também um documento essencial para garantir a divulgação das melhores práticas terapêuticas e é uma ferramenta de apoio à gestão clínica, com particular destaque para a segurança dos doentes.

Até ao momento apenas existia o Formulário Hospitalar Nacional de Medicamentos, que descrevia os fármacos utilizados em meio hospitalar. O novo FNM actualiza estes medicamentos, mas abrange também os de uso em ambulatório, “possuindo como tal, um impacto bastante mais abrangente”, esclareceu, em comunicado, o Infarmed.

Com este Formulário, adianta a autoridade nacional do medicamento, “o Ministério da Saúde prossegue a reforma do SNS, acompanha as melhores práticas internacionais e dá mais um passo para garantir que todos os Portugueses continuarão a usufruir, nas melhores condições técnicas, do direito à protecção da saúde”.

Published in Medicamento
Tagged under
terça-feira, 25 novembro 2014 16:51

Portugal tem 315 ensaios clínicos a decorrer

Investigação Coimbra

Portugal tem actualmente 315 ensaios clínicos a decorrer, principalmente nas áreas oncológicas, virais, neurológicas, respiratórias, reumatológicas, oculares e metabólicas, segundo o Infarmed.

De acordo com o organismo que regula o sector, em 2013 foram autorizados 116 ensaios clínicos. Este ano, até ao segundo trimestre obtiveram autorização 88 ensaios.

Os ensaios clínicos serão quarta-feira um dos temas da conferência "Portugal: o sítio certo para investir e construir parcerias em Saúde", promovido pela Health Cluster Portugal.

Neste encontro, o presidente do Infarmed, Eurico Castro Alves, irá fazer uma intervenção sobre “Portugal: um destino competitivo para a realização de ensaios clínicos.

Portugal tem desde 16 de Junho uma nova legislação de investigação clínica, que abrange os ensaios e que visou aumentar esta actividade. Isto porque assistiu-se nos últimos anos a uma diminuição do número de ensaios clínicos, que a nova lei visa inverter.

Segundo o Infarmed, em 2009 foram autorizados 116 ensaios clínicos, 105 em 2010, 87 em 2011, 99 em 2012 e 116 em 2013.

O reduzido número de doentes que participa em ensaios clínicos em Portugal é um dos aspectos que merece preocupação por parte da tutela.

Em Maio, o secretário de Estado adjunto do ministro da Saúde manifestou-se preocupado com o reduzido número de doentes que participa em ensaios clínicos em Portugal, que não ultrapassa os mil por ano, o que considerou “manifestamente muito pouco”.

Fernando Leal da Costa, que falava durante a III Conferência sobre Economia e Financiamento em Saúde, que decorreu em Lisboa, disse que, mais do que a redução de 33 por cento dos ensaios clínicos em Portugal, o que o preocupa é o número de doentes recrutados.

“Grande parte dos doentes [que participam nos ensaios clínicos] sente a investigação clínica como uma experimentação em si própria e não como uma melhoria em si mesmo”, disse, lamentando esse facto.

O governante revelou-se confiante na aplicação da lei da investigação clínica, que entrou em vigor a 16 de Junho.

Published in Mundo

infarmed

O laboratório da Autoridade Nacional do Medicamento, Infarmed, foi um dos quatro laboratórios seleccionados a nível mundial para analisar medicamentos para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no âmbito do combate ao VIH-Sida, Tuberculose e Malária, informa a instituição em comunicado.

Ao abrigo deste contrato, o laboratório do Infarmed analisará medicamentos destinados ao tratamento destas doenças para os gabinetes das Nações Unidas existentes em todo o mundo.

Na nota à imprensa, o Infarmed, salienta que “um dos objectivos deste programa das Nações Unidas, financiado pelo Fundo Global, é garantir o acesso a medicamentos de qualidade, eficazes e seguros, às populações dos países afectados por estas três pandemias. Actualmente encontram-se em curso financiamentos do Fundo Global em 26 países de África, Ásia, Europa, Médio Oriente e Américas”.

Para a instituição presidida por Eurico Castro Alves, a selecção do PNUD “demonstra que a competência técnica desta agência se encontra entre as melhores do mundo”.

Published in Medicamento
Tagged under

Quimioterapia

Vários doentes graves com hepatite C, alguns dos quais já evoluíram para cirrose, estão à espera de um novo medicamento que os pode salvar e que já deveria ter sido aprovado pelo Infarmed, segundo a SOS Hepatites.

Esta associação faz hoje, em conferência de imprensa, um ponto da situação relativo a este novo fármaco, aprovado a nível europeu em Janeiro e a aguardar a aprovação em Portugal pela Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), com testemunhos de vários doentes.

Emília Rodrigues, dirigente da SOS Hepatites, disse à Lusa que este novo medicamento, o Sofosbuvir, tem uma taxa de cura de 90% e é o único que dá para todos os genótipos e pode ser usado pré e pós transplante, estando vários doentes à espera, com casos que até já evoluíram para cirroses.

Segundo a responsável, depois da aprovação do Sofosbuvir pela Agência Europeia do Medicamento (EMA), este medicamento deu entrada no Infarmed a 22 de Janeiro, estando previsto um prazo máximo de 90 dias para a sua aprovação.

Emília Rodrigues destaca que, mesmo que se trate de 90 dias úteis, esse prazo já terminou e os doentes continuam à espera do único medicamento que os pode salvar.

Esta situação tem obrigado os hospitais a recorrer a pedidos de autorização de utilização excepcional.

Segundo a responsável, um dos problemas para este entrave é o preço do medicamento, que custa 48 mil euros, para três meses de tratamento.

Outro problema que vai ser apresentado pela associação diz respeito à dificuldade de acesso dos doentes ao medicamento Boceprevir (para o genótipo 1), já aprovado em Portugal, mas que alguns hospitais têm dificuldade em disponibilizar, por dificuldades financeiras.

Em Maio, um grupo de peritos apresentou um documento no qual aconselha Portugal a adoptar novos modelos de financiamento e negociação que garantam o acesso dos doentes com hepatite C aos medicamentos mais eficazes, estimando-se que a doença custe anualmente 70 milhões de euros.

Alguns dias depois, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, sugeriu na Assembleia Mundial da Saúde uma aliança de vários países para uma “maior clarificação dos preços” dos novos medicamentos para a hepatite C, lembrando que os preços dos novos fármacos para esta doença “têm um considerável impacto no orçamento da saúde”.

Published in Mundo
Tagged under
sexta-feira, 06 junho 2014 14:22

Governo aprova fundo para investigação clínica

Dinheiro & saúde

O Governo aprovou ontem a criação de um fundo para a investigação clínica, cujo financiamento será assegurado por receitas várias, cabendo à autoridade nacional do medicamento a sua gestão, informou o Conselho de Ministros em comunicado.

Há uma semana, o secretário de Estado-Adjunto do Ministro da Saúde, Leal da Costa, adiantou que o fundo, com verbas públicas, estará operacional em Janeiro, com um capital de base de um milhão de euros, embora aberto a doações.

O fundo deveria ter ficado disponível há cerca de três meses, tendo o secretário de Estado admitido que a demora em torno da publicação do diploma tem sido um "exercício de paciência".

No comunicado de ontem, o Conselho de Ministros refere que o Fundo para a Investigação em Saúde visa o "financiamento de actividades e projectos dirigidos para a protecção, promoção e melhoria da saúde das pessoas, nomeadamente nas áreas de investigação clínica, investigação básica, investigação em saúde pública e serviços de saúde".

Segundo a nota, o fundo tem "natureza de património autónomo, sem personalidade jurídica, com autonomia administrativa e financeira, cujo financiamento é assegurado por um conjunto de receitas diversificado, sendo atribuída ao Infarmed [Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde] a competência para a administração e gestão".

Já hoje, durante a abertura do congresso da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), no Porto, o ministro da Solidariedade, Pedro Mota Soares anunciou que o Governo pretende “criar a breve trecho um fundo de inovação social, no valor de 122 milhões de euros” com recurso a verbas comunitárias e que nos “próximos tempos” vai inaugurar “mais 934 camas de cuidados continuados”, o equivalente a “mais de 23 milhões de euros do erário público”.

Published in Mundo
Tagged under

Silva, José Manuel 6

O bastonário da Ordem dos Médicos considerou hoje inaceitável que cerca de 80 doentes graves estejam à espera de um dos novos medicamentos contra a hepatite C e apelou aos médicos que informem a Ordem da situação.

O Diário de Notícias adianta, na sua edição de hoje, que há cerca de 80 doentes graves em todo o país que estão à espera há meses de um novo medicamento contra a hepatite C que tem uma taxa de cura de 90% e que foi aprovado na Europa a 17 de Janeiro.

Em causa está o medicamento Sofosbuvir, cuja introdução em Portugal já foi aprovada, mas que ainda não tem concluído o estudo relativo à comparticipação, o que obriga as unidades hospitalares a recorrer a pedidos de autorização excepcionais (AE). Estes AE são feitos nos hospitais, mas têm que ser aceites também pela Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed).

Em declarações à agência Lusa, o bastonário da Ordem dos Médicos disse que a situação “não é normal, nem aceitável”, uma vez que a vida dos doentes está a ser posta em causa. “Não sabia que estavam tantos doentes à espera da AE. Este medicamento quase que permite erradicar a hepatite C e há doentes que têm indicação para o fazer. Não se compreende que haja este desfasamento de resposta. Não se pode fazer veto de gaveta com a saúde das pessoas”, disse. José Manuel Oliveira afirmou ser inaceitável atrasar o tratamento das pessoas quando existem medicamentos que as podem curar.

“O apelo que temos feito, e que reitero, é que os médicos enviem para a Ordem cópias dos pedidos de AE para que a Ordem possa interpelar o Infarmed, exigir uma resposta e fazer o acompanhamento da situação. Aos doentes que tenham indicação formal para tomar o medicamento não lhes pode ser negado tratamento”, frisou.

José Manuel Silva lembrou que, no final do ano passado, já tinha chamado a atenção para esta situação. “A hepatite C mata por evolução para cirrose ou cancro do fígado e não se sabe quando é que faz essa passagem de uma doença crónica curável para uma doença irreversivelmente progressiva até à morte”, sublinhou, acrescentando que a taxa de cura com o novo medicamento é de 90%.

“Não sei quais são as negociações que estão a decorrer entre o ministério da Saúde e os laboratórios, nem de tenho de saber, mas não é aceitável esta demora na resposta a pedidos feitos, fundamentadamente, para doentes que precisam desta terapêutica, que já está a aprovada como terapêutica de primeira linha e com uma taxa de cura de 90%”, concluiu.

Os dados divulgados hoje no Diário de Notícias têm por base informação recolhida pela SOS hepatites.

Em Dezembro, o bastonário da Ordem dos Médicos tinha avançado que havia doentes com hepatite C “condenados à morte” por ainda não ter sido autorizada a comparticipação de novos medicamentos para combater a doença. No início do ano, o Infarmed revelou que tinha chegado a acordo com a indústria farmacêutica para a comparticipação do tratamento da hepatite C, depois de meses de negociação.

Published in Mundo

farmácia1O Governo prepara-se para fazer aprovar no Parlamento nova legislação que irá agravar os limites das coimas a aplicar nos casos de contra-ordenações por violação das normas que regulam os sectores do medicamento, dispositivos médicos e produtos cosméticos. Mais: a ser aprovado, o novo regime de sanções alarga o universo de possíveis infracções, tornando o sector dos produtos da saúde um dos mais “policiados” e também um dos com maior número de possíveis infracções e com coimas mais elevadas.

A proposta de Lei, que irá ser debatida na Assembleia da Repúblico no próximo dia 14, é justificada pelo executivo com o facto de se ter verificado que “os actuais limites das coimas, mesmo o respectivo máximo previsto no referido Regime Geral, não têm sido suficientemente dissuasores da prática das infracções”.

Assim sendo, o Governo propõe, como mais adequado, “um regime sancionatório em que, à semelhança do que ocorre noutros sectores de actividade, as coimas, embora diferentemente graduadas em função da gravidade da infracção – muito graves, graves e leves – variam em função do volume de negócios da entidade infractora”, ainda que sujeita a limites mínimos e máximos consoante se trate de entidades fabricantes ou distribuidoras de medicamentos e produtos de saúde, por um lado, e retalhistas, por outro.

O executivo de Pedro Passos Coelho espera que o novo enquadramento sancionatório resulte, não só num mais efectivo cumprimento da lei, como sirva de elemento dissuasor de infracções futuras por parte dos agentes dos diferentes sectores sob a alçada Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed).

De 2 mil euros mais 15% do volume anual de negócios…. A 180 mil euros

São mais de uma centena, as possíveis infracções na área dos medicamentos sujeitos a prescrição médica, com coimas que variam entre os 2 mil euros e 15% do volume de negócios do responsável ou 180 mil euros, seja o infractor pessoa colectiva ou singular.

Neste universo de “incumprimentos” puníveis encontramos, desde as más práticas de fabrico de medicamentos à falta de comunicação, ao Infarmed, do patrocínio de seminários e congressos científicos, ou simplesmente à falta de inclusão, nesta comunicação, do programa completo e fiel das acções e eventos patrocinados. Como também incorrem nesta coima, os médicos que não comuniquem ao Infarmed os patrocínios concedidos pela indústria farmacêutica superiores a 25 euros.

Venda livre, mas… 

Outro dos sectores ao qual o executivo que ver agravadas as coimas por infracção das regras, é o do comércio de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM), designados na gíria do sector por OTC (do inglês over-the-counter). E são muitas as razões – ou as faltas – que podem gerar coimas. Desde logo, a falta de registo prévio do local de venda de MNSRM, do seu titular ou do responsável técnico, bem como a não actualização permanente de qualquer desses registos.

Como também é sancionada a inexistência de instalações com áreas destinadas à venda ao público e à armazenagem (obrigando-se a que esta última disponha de condições, designadamente de temperatura e humidade, que garantam a qualidade e a estabilidade dos MNSRM, de dimensões que permitam o adequado manuseamento e acondicionamento dos MNSRM e de acesso restrito). Ou as deficientes condições de transporte entre as áreas de armazenagem e de venda, ou entre o local de venda e o domicílio do utente. Ou ainda a falta de pessoal com formação adequada às funções, os quais, em qualquer caso, têm que estar devidamente registados no Infarmed.

Até a falta de placa indicativa e identificadora do local de venda e do número de registo no Infarmed, bem como de placa com o nome e habilitação profissional do responsável técnico é suficiente para gerar coima... Que para qualquer das infracções referidas vai dos 2 mil mais 30% do volume anual de negócios do responsável, ou 100 mil euros, seja esse responsável pessoa individual ou colectiva.

Menos gravosa monetariamente, mas extensa, é a lista de potenciais infracções puníveis com coima entre 2 mil euros e 10% do volume de negócios do responsável, ou 75 mil euros, consoante o que for inferior. A “adopção de práticas violadoras do princípio do uso racional do medicamento”, ou a “falta de meios de transmissão electrónica de dados que permitam a recepção expedita de alertas de segurança e de qualidade enviados pelo Infarmed”, são apenas dois exemplos.

Já a falta de identificação do pessoal que lida com o público ou a existência, no estabelecimento, de MNSRM acessíveis ao público sem a intermediação de pessoal devidamente habilitado, pode custar ao infractor entre 2 mil euros mais 5% do volume de negócios e 40 mil euros.

Dispositivos médicos… Multas… “A doer!”

De acordo com a proposta de Lei do Governo, as empresas de dispositivos médicos vão ver agravadas, e muito, as coimas por violação das disposições legais que regulam o sector. Mais: quanto maior for o volume de facturação do infractor… Mais paga. A título de exemplo, a colocação no mercado de dispositivos que comprometam a segurança ou a saúde dos doentes, dos utilizadores e de terceiros passa a ser punida com multa que vai de três mil euros mais 15% do volume de negócios do responsável, ou de 180 mil euros, consoante o que for inferior, lê-se no documento.

Igual coima – ainda que com um mínimo de 2 mil euros mais 15% do volume de negócios – será aplicada quem colocar no mercado dispositivos que não tenham aposta a marcação «CE», ou a tiver utilizado indevidamente.

Igualmente punidas são as quebras de confidencialidade em relação às informações de natureza técnica dos processos de certificação e a ausência de instruções de utilização e rotulagem redigidas em língua portuguesa.

Refira-se que actualmente, as coimas previstas para as infracções das normas que regulam o sector dos dispositivos médicos, vão dos 2 mil aos 44,700 mil euros, no caso de pessoas colectivas e a um máximo de 3700 euros, quando o infractor é pessoa singular.

 

Published in Medicamento
Tagged under
Pág. 22 de 25
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.