A urgência da Maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, já não vai encerrar no sábado, como estava previsto, confirmou à agência Lusa fonte do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

Published in Atualidade

A Assembleia da República (AR) aprovou, hoje, um projeto de resolução do BE que recomenda ao Governo medidas urgentes para reforçar o quadro de pessoal e requalificar instalações e equipamentos das maternidades Bissaya Barreto e Daniel de Matos, em Coimbra.

Published in Atualidade

A maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra, está à beira do colapso assistencial face àquilo que a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) diz ser a “incomportável escassez de meios” naquela unidade de saúde.

Published in Atualidade

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) anunciou ontem já ser permitido aos pais pedirem o cartão de cidadão para o recém-nascido nas maternidades Daniel de Matos e Bissaya Barreto, no âmbito do projeto “Nascer Cidadão”.

Published in Atualidade

cesariana

As cesarianas feitas antes das 39 semanas realizadas “por conveniência” triplicaram os internamentos de recém-nascidos, sugere uma análise a mais de três mil bebés levada a cabo ao longo de uma década, na Maternidade Bissaya Barreto, em Coimbra.

Abrangendo uma amostra de 3.213 recém-nascidos, a investigação realizada entre 2003 e 2013 mostrou que quase metade destes nasceu por cesariana eletiva antes das 39 semanas. Segundo o estudo, publicado na mais recente edição da Acta Médica Portuguesa, estes recém-nascidos por cesariana marcada antes das 39 semanas tiveram mais internamentos na unidade de cuidados intensivos, mais morbilidade respiratória, mais hipoglicémia e mais internamentos com duração acima dos cinco dias.

“A cesariana eletiva, sem indicação médica, antes das 39 semanas tem riscos associados e potencia muito a necessidade de internamento dos bebés em cuidados intensivos”, disse, em declarações à agência Lusa a neonatologista Cristina Resende, uma das autoras da investigação. A especialista refere que, com esta investigação, se veio comprovar o que empiricamente já era a ideia da comunidade médica: as cesarianas sem recomendação médica aumentam as complicações e as necessidades de cuidados suplementares.

Além de triplicarem os internamentos, os autores do estudo identificaram um aumento de 160% no diagnóstico de dificuldades alimentares e perda de peso excessiva nos recém-nascidos por cesariana de conveniência, além de uma duplicação da necessidade de fototerapia por icterícia.

Para Cristina Resende, a situação das cesarianas combinadas com a doente, por conveniência, antes das 39 semanas de gravidez, tem melhorado na Maternidade Bissaya Barreto. Contudo, a neonatologista reconhece que, a nível nacional, ainda há algum facilitismo nos partos induzidos ou programados por conveniência entre médico e doente. “Não se deve antecipar o fim da gestão por conveniência. É importante que as grávidas percebam que uma semana de diferença numa gravidez é uma grande diferença. Se tudo estiver bem, o bebé deve ser deixado onde está até ao fim natural da gravidez”, afirmou, lembrando que, no entanto, há condições clínicas que impõem a necessidade de uma cesariana.

Aliás, neste estudo foram excluídas as situações de risco como gravidez múltipla, rutura prematura de membranas, doenças como pré-eclâmpsia, diabetes mal controlada ou malformações congénitas. Como cesariana eletiva os autores da investigação consideraram a que é realizada antes do início do trabalho de parto e antes da rutura das membranas.

Published in Atualidade
Redimensionar as listas de utentes e rever a Carreira Médica é um imperativo
Editorial | Jornal Médico
Redimensionar as listas de utentes e rever a Carreira Médica é um imperativo

A dimensão das listas de utentes e a Carreira Médica são duas áreas que vão exigir, nos próximos tempos, uma reflexão e ação por parte dos médicos de família.

Mais lidas