investigacao3

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) descobriram que a origem das células estaminais cancerígenas é multifacetada e que algumas surgem por acção da quimioterapia, o que sugere “uma nova direcção para o tratamento” do cancro.

Uma equipa de investigadores do Departamento de Ciências da Vida da UC, dedicada ao “estudo dos mecanismos envolvidos na carcinogénese”, descobriu que, “ao contrário do que se pensava até agora, a origem das células estaminais cancerígenas é multifacetada” e que “algumas surgem mesmo por acção da quimioterapia”, anunciou hoje a instituição.

Visando analisar a origem das células estaminais tumorais, o estudo “provou haver uma grande plasticidade intratumoral, ou seja, dentro do tumor há um vasto conjunto de subpopulações celulares que, mediante determinados estímulos, se convertem em células estaminais cancerígenas, cujo potencial maligno acrescido assegura a sobrevivência, invasão e metastização dos tumores”, afirma a UC numa nota hoje divulgada.

Segundo vários estudos anteriores, “as células estaminais tumorais são extremamente resistentes aos tratamentos convencionais do cancro (quimioterapia e/ou radioterapia) e responsáveis pelas recidivas de diversos tipos de tumores”, sublinha a UC.

As experiências realizadas no âmbito deste estudo – intitulado “Cancer stem cells and tumor progression: from molecular mechanisms to clinical consequences” –, “primeiro em linhas celulares tumorais e posteriormente em modelos animais (ratinhos)”, permitiram ainda identificar “três citocinas (moléculas envolvidas nas transmissão de informação entre células) como potenciais promotores desta interconversão celular maligna”.

As citocinas identificadas promovem uma espécie de “conversa invisível” entre as várias subpopulações de células, “transmitindo propositadamente informação que leva à mudança de fenótipos das células” e “assegurando, consequentemente, a sua sobrevivência”, explicita a coordenadora do estudo, Maria Carmem Alpoim.

As descobertas conseguidas nesta investigação assinalam que é necessária uma mudança no paradigma de combate ao cancro, salienta a UC.

“Estas evidências determinam a implementação de novas abordagens nos tratamentos oncológicos para aumentar a sua eficácia”, alerta Maria Carmem Alpoim. “O recurso a cocktails de medicamentos direccionados às várias subpopulações tumorais, inclusive em doentes submetidos a radioterapia, permitirá maximizar a sua eficiência”, sustenta a investigadora.

“As estratégias terapêuticas têm de ser multifacetadas e não somente direccionadas à diminuição da massa do tumor porque a interconversão entre as subpopulações celulares cancerígenas permite manter e, inclusivamente, aumentar o potencial maligno”, sublinha Maria Carmem Alpoim, que também é docente de Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC.

A investigação foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

Published in Mundo

Investigacao_1

Quatro instituições portuguesas vão receber um total de cerca de 10 milhões de euros da Comissão Europeia para potenciar a investigação científica de excelência e aumentar a capacidade destas instituições de captar verbas, foi ontem anunciado.

O Instituto de Medicina Molecular (IMM), o InBIO – Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Minho – Grupo de Investigação 3B’s vão receber cerca dois milhões e meio de euros cada, do European Research Area – Chairs (ERA-Chairs), revelam em comunicado.

Trata-se de um financiamento da Comissão Europeia inserido no programa Horizonte 2020, ao qual foram submetidas 88 propostas das quais 13 foram aprovadas, quatro destas, portuguesas.

Estes projectos terão a duração de cinco anos e permitem atrair investigadores de topo, para que as instituições possam competir com os centros de excelência pertencentes ao Espaço Europeu de Investigação, explicam.

Os investigadores a serem adstritos a cada uma das instituições serão seleccionados com base em critérios de qualidade e inovação científica, assente nos projectos que desenvolvem com as suas equipas, bem como a sua rede de colaborações internacionais.

O projecto EXCELLtoINNOV irá dotar o IMM dos meios necessários para atingir um patamar de excelência científica, através do recrutamento de um ERA Chair em investigação biomédica translacional na área de imunidade e infecção.

O objectivo será posicionar o IMM na primeira linha da investigação, desenvolvimento e inovação, de forma a poder expandir o potencial nacional além-fronteiras e actuar como interface da Europa, América e África.

Henrique Veiga-Fernandes, investigador principal e director de estratégia institucional refere que “o fortalecimento da área de imunologia e infecção permitirá alavancar a excelência científica em todas as áreas de investigação e desenvolvimento (I&D) do IMM”.

EnvMetaGen é o nome da proposta apresentada pelo Laboratório Associado InBIO – Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva que será também financiada.

Este projecto tem como objectivo ampliar a capacidade de investigação e inovação do InBIO através da metagenómica ambiental e pretende fortalecer o potencial de investigação, dos recursos humanos, laboratórios e equipamento de nova geração de sequenciação de genomas do InBIO.

Os resultados poderão ser aplicados na conservação da biodiversidade, controlo de espécies invasoras, avaliação de serviços dos ecossistemas e monitorização da qualidade ambiental.

Published in Mundo

Investigacao

O investigador Clévio Nóbrega, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC) foi distinguido com 80 mil euros pela Associação Francesa contra Miopatias para estudar a doença de Machado-Joseph.

O projecto financiado pela Associação Francesa contra Miopatias (AFM) propõe-se investigar “o papel e relevância da proteína ‘ataxina-2’ nesta doença neurodegenerativa”, revelou a UC, numa nota divulgada hoje.

A doença de Machado-Joseph (DMJ) que é hereditária e não tem cura, é caracterizada pela “descoordenação motora, atrofia muscular e rigidez dos membros” e provoca “dificuldades na deglutição, fala e visão”.

Nesta como em “quase todas as patologias neurodegenerativas, os mecanismos moleculares que conduzem à doença são complexos e variados”, sublinha o investigador da UC agora distinguido.

“O nosso projecto coloca a hipótese de que a proteína ‘ataxina-2’, que apresenta uma função celular importante, se encontra reduzida na DMJ e especulamos que a reposição dos níveis desta proteína possa alterar a progressão da doença e até contribuir para uma melhoria da mesma”, explica Clévio Nóbrega.

Com este projecto, que deverá ser desenvolvido nos próximos dois anos, “pretende-se validar um novo alvo molecular (‘ataxina-2’) que possa, no futuro, contribuir para o desenvolvimento de terapias eficazes para a DMJ e doenças neurodegenerativas”, acrescenta o investigador do CNC.

O estudo vai desenvolver-se no grupo de investigação liderado por Luís Pereira de Almeida, do CNC da UC, que, por sua vez, está inserido no Grupo de Vectores e Terapia Génica.

A AFM, que é uma “associação francesa focada em doenças neuromusculares, composta por profissionais, voluntários, doentes e seus familiares”, avalia e atribui financiamentos a “programas de investigação internacionais com qualidade”.

Published in Mundo

Investigacao 5

Uma equipa de duas dezenas de investigadores de Portugal, Holanda, Estados Unidos e China acaba de identificar o “possível responsável pelo surgimento de problemas de memória”, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

A equipa de investigadores daqueles quatro países descobriu que “os receptores A2A para a adenosina” têm “um papel crucial no surgimento de problemas de memória”, afirma a UC na nota hoje divulgada.

A adenosina é a “molécula que funciona como sinal de stress no funcionamento de vários sistemas do organismo, especialmente no cérebro”.

Esta é uma “investigação sem precedentes”, sublinha a UC, adiantando que o estudo, envolvendo especialistas da Faculdade de Medicina e do Centro de Neurociências e Biologia Celular da UC, vai ser publicado no Molecular Psychiatry, “o mais importante jornal internacional da área da psiquiatria”.

A investigação, desenvolvida com “modelos animais (ratinhos) saudáveis”, permitiu verificar, pela primeira vez, que o funcionamento em excesso dos receptores A2A (“localizados na membrana dos neurónios”) é “suficiente para causar distúrbios na memória”, salienta a UC.

Para conseguir a máxima precisão na informação sobre o comportamento dos ratinhos durante as experiências, os especialistas de Coimbra envolvidos no estudo criaram “um dispositivo inovador para, através da utilização de uma técnica de optogenética (técnica que não existe na natureza e que utiliza a luz para actuar e controlar ocorrências específicas em sistemas biológicos), activar este receptor de adenosina e controlar de forma única o comportamento dos circuitos neuronais”.

Assim, “no exacto momento em que os modelos animais desempenhavam as tarefas de memória, foi possível verificar, inequivocamente, que uma simples activação intensa do receptor A2A era suficiente para provocar danos no circuito e gerar problemas de memória”, explica Rodrigo Cunha, coordenador da equipa portuguesa.

Esta descoberta é determinante para a Alzheimer, doença incurável caracterizada pela perda de memória, nomeadamente “para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento da demência mais comum”, sustenta Rodrigo Cunha.

“Se a simples activação do receptor A2A é suficiente para causar distúrbios na memória, é possível desenvolver bloqueadores selectivos deste receptor”, acrescenta aquele professor da Faculdade de Medicina de Coimbra.

“Os investigadores já sabem o caminho a seguir”, conclui Rodrigo Cunha, recordando que “seis anteriores estudos epidemiológicos (alguns europeus) distintos” já tinham confirmado que “o consumo de cafeína diminui a probabilidade de desenvolver Alzheimer e que age sobre os receptores A2A (a cafeína liga-se aos receptores e impede o perigo)”.

Os investigadores pretendem agora “desenhar moléculas químicas semelhantes à cafeína capazes de actuar exclusivamente sobre este receptor, impedindo-o de provocar danos na memória”, conclui Rodrigo Cunha.

Published in Mundo

Investigação em cobaias

O investigador Luís Pereira de Almeida, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra, vai liderar um novo estudo europeu sobre as doenças de Parkinson e de Machado-Joseph, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

Visando identificar potenciais alvos terapêuticos nas doenças de Parkinson e Machado-Joseph, este novo projecto europeu, intitulado SynSpread, foi aprovado pelo programa Joint Programme-Neurodegenerative Disease Research (JPND).

O programa comunitário JPND é “a maior iniciativa global de combate às doenças neurodegenerativas”, tendo como objectivo “fomentar a descoberta das causas e tratamentos destas patologias”.

Com a duração de três anos e um orçamento global de 750 mil euros, o projecto pretende “compreender o papel da migração de proteínas” envolvidas naquelas duas “doenças incuráveis”, refere a UC, numa nota hoje divulgada.

“A investigação visa estudar a interacção que a autofagia (mecanismo de limpeza no interior da célula) estabelece com a secreção de exossomas (vesículas expelidas pelas células), e como contribuem para a difusão da doença a outras células do cérebro”, adianta Luís Pereira de Almeida.

O estudo será realizado em neurónios de doentes com Parkinson e Machado-Joseph e recorrerá a “técnicas de neuroimagem para mapear o caminho que as proteínas percorrem no contexto da autofagia e secreção de exossomas no cérebro”, explica o cientista do CNC e docente da UC.

“Os resultados desse mapeamento poderão contribuir” para se prever “a progressão das doenças neurodegenerativas”, admite o especialista.

Luís Pereira de Almeida vai coordenar uma equipa portuguesa, constituída por duas dezenas de cientistas, e equipas de investigadores da Universidade do Luxemburgo e da Universidade Paris Descartes.

Published in Mundo

Investigação 5

Um estudo do metabolismo de células do cancro do pulmão desenvolvido por investigadores da Universidade de Coimbra (UC), que já recebeu uma distinção internacional, torna o diagnóstico da doença mais claro, foi hoje anunciado.

A investigação permitiu, através de técnicas de ressonância magnética nuclear (RMN), “quantificar a produção de lípidos em células cancerígenas, importante para ajudar a tornar o diagnóstico da doença mais claro”, afirma uma nota da UC hoje divulgada.

Financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), o estudo focou-se em “duas linhas celulares de cancro de pulmão humano – A549 (muito comum) e H1299 –“, tendo os investigadores registado que “a síntese de lípidos é superior, em mais do dobro, à de uma linha celular de pulmão saudável”.

A descoberta já valeu ao seu investigador principal, Ludgero Tavares, o prémio “Jovem Investigador” (Young Investigator Award) no Congresso Internacional de Cancro do Pulmão, que decorreu na Malásia, organizado pela Associação Internacional para o Estudo do Cancro (Association for the Study of Lung Cancer), sublinha a UC.

O estudo, desenvolvido no âmbito de uma investigação que está em curso no Departamento de Ciências da Vida da UC, “foi eleito entre as mais de duas centenas de trabalhos apresentados” naquele congresso.

Os especialistas envolvidos na pesquisa, coordenada por Rui de Carvalho, “têm fortes indícios” que a Isocitrato Desidrogenase (IDH), “uma enzima do ciclo de Krebs (conjunto de reacções químicas que acontecem na vida da célula para a obtenção de energia) é a principal responsável por esta produção de lípidos em excesso nas células cancerígenas”, acrescenta a mesma nota da UC.

Os investigadores envolvidos no estudo estão agora, por isso, a “silenciar (retirar do sistema através de manipulação genética) esta enzima, para avaliar a sua preponderância no processo tumorigénico”.

O estudo do metabolismo do cancro do pulmão permite “conhecer melhor os mecanismos da doença, que causa anualmente 1,59 milhões de mortes em todo mundo, segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), contribuindo para melhorar o diagnóstico e avançar para o desenvolvimento de novos alvos terapêuticos”, explica Ludgero Tavares.

Published in Mundo

Investigação
Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) identificaram uma nova enzima que poderá ser utilizada em estratégias terapêuticas contra a febre da carraça e do tifo epidémico, anunciou hoje a instituição.

A UC revela, em nota hoje divulgada, que a equipa internacional responsável pelo projecto é liderada pela investigadora Isaura Simões, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da UC e do Biocant.

A investigação, iniciada em 2010, foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e envolveu a participação de cinco investigadores estrangeiros de três grupos de investigação distintos.

Segundo a UC, a bactéria responsável pela febre da carraça e pelo tifo epidémico, de seu nome Rickettsia, "transmite-se através de piolhos, carraças e pulgas e não possui actualmente nenhuma vacina protectora".

"A descoberta, publicada na revista científica internacional PLoS Pathogens, descreve uma nova enzima dessa bactéria, semelhante àquela presente no VIH-1, sendo também controlável por medicamentos utilizados no tratamento da SIDA", acrescenta.

Isaura Simões, citada na nota da UC, refere que os investigadores demonstraram "de forma inequívoca a presença de um tipo específico de enzima na bactéria Rickettsia".

"Ao explorar as suas potenciais funções biológicas, os nossos resultados apontam para a participação da enzima num mecanismo relevante para a virulência destes microrganismos, reforçando a importância desta nova enzima como potencial alvo para o desenvolvimento de novas terapêuticas contra infecções provocadas por Rickettsia", explica.

O CNC é um laboratório responsável pela investigação nas áreas da biomedicina e da biotecnologia, na formação universitária de novos investigadores, e na criação de acções de comunicação de ciência junto das comunidades através do Programa Ciência e Sociedade.

Já o Biocant disponibiliza serviços inovadores de biotecnologia com relevância para as Ciências da Vida e impulsiona a transferência de tecnologia entre os centros de investigação fundamental de reconhecido mérito e as empresas do sector da biotecnologia, segundo a UC.

Published in Mundo

gravida

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveram um programa pioneiro para a infertilidade e “provaram a sua eficácia” na melhoria da qualidade de vida das mulheres que vivem esta experiência, anunciou hoje a instituição.

Uma equipa de especialistas do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC), da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da UC, “desenvolveu e testou o primeiro programa baseado no Mindfulness (atenção plena) para a infertilidade (PBMI) do mundo”.

O programa visa melhorar a qualidade de vida e reduzir a ansiedade e depressão das mulheres que vivem a experiência da infertilidade, “por norma dolorosa e traumática”, afirma a UC, numa nota hoje divulgada.

O Mindfulness é um treino mental que ensina as pessoas a lidarem com os seus pensamentos e emoções, que “muda o relacionamento com a mente, ensina a distinguir o pensamento útil do pensamento inútil ou mesmo prejudicial”, explica o coordenador dos estudos que culminaram na criação do PBMI, José Pinto Gouveia.

O Mindfulness é “uma abordagem que evidencia a transitoriedade das emoções”, por isso, “há que as reconhecer e não lutar com elas, porque uma cadeia de pensamentos negativos conduz a uma exaustão de energia e a possíveis quadros clínicos como a depressão”, sustenta o investigador.

Trata-se de uma ferramenta “pioneira” de “intervenção psicológica”, sublinha a UC, adiantando que o programa tem gerado “muito interesse junto da comunidade científica internacional”, estando em fase de concretização “parcerias com uma universidade holandesa, um hospital belga e uma clínica de fertilidade da Noruega”.

Para testar a sua eficácia, o programa baseado no Mindfulness para a infertilidade foi “aplicado em 55 mulheres inférteis, de diferentes idades, a realizar tratamento médico em Lisboa, Porto e Coimbra” e abrangeu também “o acompanhamento de um grupo de controlo (sem intervenção) constituído por 41 mulheres inférteis”.

Antes do arranque do PBMI, que contou com a colaboração da Associação Portuguesa de Fertilidade, os dois grupos foram sujeitos a uma avaliação psicológica e revelaram ambos elevados níveis de ansiedade e depressão, refere José Pinto Gouveia.

No final do programa, composto por dez sessões semanais, foram evidenciadas diferenças significativas entre os grupos, concluiu a investigação.

Enquanto as mulheres do grupo de controlo não registaram alterações expressivas em nenhuma das medidas psicológicas, as mulheres submetidas à intervenção diminuíram bastante os níveis de ansiedade e depressão: “aspectos negativos como a vergonha, a derrota ou a autocompaixão e estados de depressão e ansiedade diminuíram muito significativamente”, afirma Ana Galhardo, primeira autora do artigo científico sobre este assunto publicado na revista norte-americana Fertility and Sterility.

Assim, “os pensamentos e sentimentos relacionados ao passado doloroso” (o aborto “anterior”, entre outras situações) ou para o futuro (“eu nunca vou ser mãe”, por exemplo) são reconhecidos “sem tentar suprimir ou modificá-los”, sublinha a investigadora.

Published in Mundo
Pág. 6 de 8
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas