Desporto sim, mas com quatro F
DATA
24/05/2017 12:08:21
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Desporto sim, mas com quatro F

O dia a dia do Dr. Luís Negrão é assoberbado como o da maioria dos portugueses, mas isso não o impede de praticar desporto ou de, pelo menos, fazer um esforço para se manter fisicamente ativo. 

Utilizador de transportes públicos, conta ao Jornal Médico Grande Público que caminha todos os dias a pé cerca de 10 a 15 minutos e é fã de boas caminhadas aos fins de semana. A somar a isto tem uma paixão que o ‘arranca’ de casa três vezes por semana: a dança.

Foi há mais de 10 anos que a esposa o desafiou a segui-lhe os passos e, inicialmente, mostrou-se relutante, justificando-se com os dias longos de trabalho e o consequente cansaço, mas acabou por ceder apesar de não ter qualquer pretensão de participar em campeonatos, mas pela boa proposta que representa.

“A atividade física diminui o risco de hipertensão arterial, de diabetes, do colesterol aumentado, entre outras. Sabemos também que as pessoas que praticam regularmente uma atividade física têm menos probabilidade de vir a ter um enfarte agudo do miocárdio, sofrem menos das conhecidas doenças osteoarticulares, têm menos problemas respiratórios e veem a sua autoestima melhorada. Há todo um conjunto de fatores que são benéficos para a saúde e foi por isso que a Fundação Portuguesa de Cardiologia dedicou a edição deste ano ao tema do deporto”, explica o assessor médico.

As principais recomendações nesta área indicam que para haver benefício para a saúde é preciso que as pessoas pratiquem, pelo menos, meia hora a uma hora de atividade física moderada cinco vezes por semana. “O desporto é uma forma de realizarmos atividade física. A campanha deste ano mostra-nos que até podemos não ter nascido para praticar desporto, mas o mais importante é que o façamos com o coração. Ainda que não seja o Cristiano Ronaldo posso gostar de, tão simplesmente, ‘dar uns toques na bola’ com os amigos do bairro, e o mesmo serve para o ténis, a bicicleta ou outra qualquer atividade. Não há competição, mas é uma forma salutar de desenvolver uma atividade física”, defende o Dr. Luís Negrão.

Na opinião do entrevistado, praticar um qualquer desporto exige, em si mesmo, a presença daquilo que chama os 4 efes: o fundamento, isto é, o motivo pelo qual realizo aquela atividade física; o fitness; mas para que o exercício físico seja regular são necessários outros dois elementos, fun e friends. “Só os amigos e o gozo que a dança me dá permite que vá mais frequentemente do que iria ao ginásio”, conclui.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.