CUF Academic and Research Medical Center: I Jornadas Técnicas de Radiologia
DATA
05/02/2020 12:01:55
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


CUF Academic and Research Medical Center: I Jornadas Técnicas de Radiologia

A CUF Academic and Research Medical Center promove no dia 7 de março as I Jornadas Técnicas de Radiologia onde se pretende fortalecer e apresentar novas perspetivas quanto a técnicas de Radiologia. O Jornal Médico falou com a técnica coordenadora da iniciativa, Andreia Lopes, para avaliar as expetativas e principais objetivos desta reunião.

JORNAL MÉDICO (JM) | O que motivou a organização das I Jornadas Técnicas de Radiologia?

ANDREIA LOPES (AL) | É uma ideia que tem vindo a ser amadurecida há algum tempo e achámos que este seria o momento ideal para a partilha daquela que vai sendo a nossa experiência e realidade. Somos uma equipa coesa, com espírito cooperativo e de entreajuda e queremos projetar-nos também desta forma e não apenas através do exercício das nossas rotinas diárias. 

JM | Quais são os principais objetivos da realização desta reunião? O que podem esperar os inscritos?

AL | Essencialmente, a intenção de robustecer os desafios técnicos diários da nossa profissão e do serviço, para além de apresentarmos novas perspetivas que poderão ser desenvolvidas e aplicadas, despontando novos horizontes. É expectável deixarmos transbordar temas que nem sempre são consensuais, desmistificá-los e induzir inquietações aos participantes, isto tudo estimulado com boa disposição – o humor é uma corrente perspicaz para chamar a atenção de quem nos vê e ouve, e a base de alguns dos mitos pode abrir a porta a algumas abordagens mais descontraídas.

JM | Tendo em conta o programa podemos aferir que as jornadas se centram na desmistificação de alguns mitos associados à Radiologia. Quais acredita serem as ideias mais importantes de “erradicar”?

AL | Existem ainda muitos mitos que “assombram” a Imagiologia e isto aplica-se a profissionais e a não-profissionais de saúde. O lidar com o medo exacerbado da radiação e a aplicabilidade dos contrastes fazem parte da nossa rotina diária. Muitas outras incertezas são frequentemente constatadas e poderão ser inibidoras de uma decisão clínica se efetivamente não forem aniquiladas, daí a opção de efetuarmos esse esclarecimento em forma de desmistificação, fundamentado em evidência científica. O “fazer” não nos diferencia, o “fazer bem, de forma irrepreensível” é o carimbo que queremos deixar marcado, exame após exame, em todos os atos do nosso serviço.

JM | As equipas multidisciplinares são importantes no acompanhamento do doente? É necessário que a nível multidisciplinar os diferentes especialistas conheçam mais sobre a prática da Radiologia? 

AL | A Radiologia é um ponto nevrálgico em qualquer unidade hospitalar, existem várias especializações médicas (senão todas) dependentes da nossa atividade e nós dependemos igualmente de vários outros serviços. É imprescindível o conhecimento e diálogo entre algumas especialidades para a excelência de alguns exames de diagnóstico e/ou terapêutica na área da Imagiologia, permitindo ainda otimizar recursos e tempos de resposta. O conhecimento da prática de forma multidisciplinar está patente no conteúdo científico apresentado: abrangemos claramente a interação da Imagiologia com a Cardiologia, a Ortopedia, a Neurologia, a Pediatra, mas muitas outras especialidades poderão estar subjacentes. Sendo o nosso foco o doente, temos de harmonizar todos os processos para a prestação de cuidados de saúde exemplares e de excelência, mas também alicerçados em inovação. Estas são algumas das missões que a José de Mello Saúde se propõe a atingir e nós como ativos colaboradores queremos demonstrar isso mesmo, através destas Jornadas.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas