Curso Teórico-Prático de Doenças Obstrutivas Crónicas das Vias Aéreas

Realiza-se no próximo dia 8 de maio o Curso Teórico-Prático de Doenças Obstrutivas Crónicas das Vias Aéreas, sob organização da CUF Academic and Research Medical Center. O Jornal Médico falou com a coordenador da reunião, António Bugalho, coordenador de Pneumologia do Hospital CUF Descobertas, sobre os objetivos do curso e o que o diferencia de outros.

JORNAL MÉDICO (JM) | Que balanço faz das edições anteriores do curso?

ANTÓNIO BUGALHO (AB) | O Curso de Doenças Obstrutivas das Vias Aéreas (DOVA) tem vindo a ocorrer nos últimos anos com o intuito de promover uma atualização de conhecimentos de doenças respiratórias com alta prevalência que incluem a asma, DPOC e bronquiectasias. Destina-se eminentemente a médicos de Medicina Geral e Familiar. Em todas as edições anteriores ocorreu uma ampla participação e o feedback obtido foi extremamente positivo.


JM |
Qual é o principal objetivo de fazer um curso teórico-prático de doenças obstrutivas crónicas das vias aéreas para especialistas em MGF?

AB | Todos os anos surgem novas atualizações e remodelações das normas de orientação clínica sobre estas doenças, resultado do avanço científico. Este curso possibilita aos profissionais que o integram um acompanhamento da evolução do conhecimento, de forma estruturada, com adaptação ao sistema de saúde nacional. 

 

JM | O que é que os inscritos poderão retirar da sua participação? 

AB | O presente curso pretende facultar aos profissionais médicos uma atualização de conhecimentos com capacidade para diagnosticar e tratar as doenças obstrutivas mais frequentes, particularmente a Asma, DPOC, bronquiectasias, ACO (Síndrome de Sobreposição Asma-DPOC) e outros fenótipos de sobreposição; ter uma visão crítica dos exames complementares de diagnóstico a solicitar; tratar e atuar de forma eficaz as situações de exacerbação; identificar as situações mais complexas e conhecer as indicações para um encaminhamento especializado.

 

JM | O que diferencia este curso de outros?

AB | É notória a elevada componente prática e de discussão de casos clínicos, será por aí que se deve trilhar um caminho com os especialistas de MGF. O curso tem uma forte componente prática, o que o torna mais aliciante, promovendo a interatividade entre docentes e discentes e proporcionando a aquisição de conhecimentos relevantes. O ensino ocorre através de uma curta atualização de conhecimentos teóricos, discussão de curtos casos clínicos e prática na execução de espirometria, interpretação de provas funcionais respiratórias, manuseamento e ensino de diferentes dispositivos de inalação e avaliação da correta técnica inalatória.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas