Avelino Fraga: “A patologia prostática e os sintomas urinários baixos representam cerca de 50% da prática clínica em Urologia”
DATA
24/02/2020 12:35:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Avelino Fraga: “A patologia prostática e os sintomas urinários baixos representam cerca de 50% da prática clínica em Urologia”

A próstata foi o foco do curso Minimally Invasive Prostate Surgery Course, que teve lugar no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, no Porto, a 24 e 25 de janeiro. Neste âmbito, a iniciativa abordou diversas temáticas, desde as intervenções de terapia focal até atualizações sobre o cancro da próstata, passando pela hiperplasia benigna da próstata (HBP). Do programa constaram ainda sessões onde se discutiram diferentes técnicas e possíveis complicações e espaços de transmissão de cirurgias em direto. Em entrevista ao Jornal Médico, o diretor do serviço de Urologia do Hospital Geral de Santo António, do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP), Avelino Fraga, faz um balanço deste evento, salientando o peso do órgão no contexto da Urologia.

JORNAL MÉDICO (JM) | Quais foram os objetivos do evento Minimally Invasive Prostate Surgery Course? Considera que foram alcançados?

AVELINO FRAGA (AF) | Desde 2012 que o Serviço de Urologia do Hospital Geral de Santo António inicia a cada ano, em janeiro, um curso monotemático, prático, com cirurgias ao vivo. Em 2019, focámos o tema “Rim e Suprarrenal”. Neste ano, optámos pelo órgão “Próstata”.

O intuito destes cursos tem sido e continua a ser mostrar a realidade portuguesa um pouco em comparação com o que de melhor se realiza no mundo. O evento tem tido, desde sempre, o suporte da Sociedade Internacional de Urologia (SIU), o que nos permite ter um elevado nível científico e a presença de importantes vultos da Urologia internacional, quer a lecionar o curso, quer a participar ativamente em momentos de live surgery.

Mais uma vez, atingimos completamente o nosso objetivo e superámos o desafio, como pode ser avaliado pela presença de cerca de 200 participantes.

JM | O curso tem como foco a próstata. Qual é o peso deste órgão, no âmbito da Urologia? 

AF | A escolha deste ano pelo tema “Próstata” deve-se ao facto de ser um órgão nobre da Urologia e de a última revisão sobre a próstata, no âmbito destes cursos, ter ocorrido já em 2013. Consideramos que é uma temática muito atual e com um elevado peso na especialidade, até porque a patologia prostática e os sintomas urinários baixos representam cerca de 50% da prática clínica em Urologia.

JM | A nível diagnóstico e terapêutico, quais são as novidades no contexto prostático?

AF | Relativamente ao diagnóstico, durante o curso, abordaram-se novidades referentes ao papel dos biomarcadores e da Imagiologia para o diagnóstico do cancro da próstata.

A nível terapêutico, apresentaram-se as últimas novidades no tratamento médico e cirúrgico, quer do cancro da próstata com preservação da qualidade de vida, quer da hiperplasia benigna da próstata com realização de procedimentos minimamente invasivos.

JM | O evento tem como foco intervenções minimamente invasivas e contou com diversas sessões com componente prática muito forte. Destacaria alguma sessão ou um tema específico? Porquê? 

AF | Destacaria, em particular, a realização de cirurgia minimamente invasiva do cancro da próstata com preservação dos feixes vasculo-nervosos, na medida em que este conjunto de vasos e nervos enfeixados é responsável pela preservação da ereção sexual.

Gostaria ainda de salientar a cirurgia minimamente invasiva da hiperplasia benigna por esta intervenção ser capaz de reduzir o internamento hospitalar e por haver a possibilidade de a realizar em ambulatório.

JM | Qual é o contributo deste tipo de eventos formativos no contexto da Urologia? 

AF | Estes cursos, em Portugal – e tendo em conta a nossa realidade concreta – ajudam de facto a internacionalizar a Urologia portuguesa e a demonstrar, perante grandes vultos da Urologia internacional, a qualidade da Medicina nacional e, em particular, da Urologia, que se encontra ao nível do que de melhor se realiza no mundo da Medicina.

Doença Venosa

Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança
Editorial | Jornal Médico
Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança

O futuro tem hoje 5 dias! Inacreditável! Quem é que tem agenda para mais de 5 dias? A pandemia COVID-19 alterou profundamente a vida quotidiana, a prestação de cuidados de saúde e a organização dos serviços de saúde está totalmente alterada. O isolamento social é a orientação primordial de confrontação da pandemia. Mas é necessário promover o apoio de proximidade essencial e aprender a fazê-lo em segurança.

Mais lidas