Nuno Machado: “Queremos trazer uma maior acessibilidade aos serviços e cuidados de saúde”
DATA
09/06/2020 12:28:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Nuno Machado: “Queremos trazer uma maior acessibilidade aos serviços e cuidados de saúde”

Há mais serviços ON, na plataforma online das farmácias Holon. O diretor-geral, Nuno Machado, fala sobre os benefícios da adição das teleconsultas, do apoio domiciliário e do chat aos serviços preexistentes, permitindo complementar a oferta que dispõem nos espaços físicos.

JORNAL MÉDICO (JM) | As farmácias Holon têm mais serviços ON, na sua plataforma online. O que motivou a adição dos mesmos?

NUNO MACHADO (NM) | A necessidade dos nossos utentes. Neste cenário de pandemia, muitas pessoas viram-se limitadas no acesso aos serviços de que habitualmente dispunham, bem como aos medicamentos e produtos de saúde e bem-estar. As pessoas evitaram ao máximo sair de casa e, neste momento, através da plataforma HolON podem realizar de uma teleconsulta de nutrição, marcar uma consulta de Enfermagem em sua casa, ou tirar as suas dúvidas com os nossos farmacêuticos especializados, via chat.

(JM) | Quais os objetivos associados?

(NM) | Complementarmos a oferta de serviços de que dispomos nas nossas farmácias, apresentando, assim, um apoio completo a todos os utentes das farmácias Holon. Queremos trazer uma maior acessibilidade aos serviços e cuidados de saúde, mantendo a população o mais segura possível. Estamos conscientes do desafio que o Serviço Nacional de Saúde enfrenta contra a Pandemia associada à infeção SARS-CoV-2 (2019-2020), o que torna ainda mais importante a presença desta plataforma na proteção de todos.

(JM) | Que especialidades estão disponíveis nas consultas ao domicílio e nas teleconsultas?

(NM) | Criamos teleconsultas de Nutrição, Dermofarmácia e Consulta farmacêutica, bem como Serviço Domiciliário de Podologia, Enfermagem e Pé Diabético.

(JM) | Focando nas teleconsultas, que tiveram grande destaque, devido à pandemia, acredita que, no regresso gradual à normalidade, estas vão continuar a ser uma opção para os utentes? Porquê?

(NM) | Penso que sim. Não se vão massificar de um dia para o outro, mas penso que serão complementares às consultas presenciais. Agora, os utentes podem marcar a hora mais conveniente para si, em qualquer dia, no conforto da sua casa. Isso é um benefício enorme.

(JM) | Como classifica a utilidade do chat online?

(NM) | Muito útil, pois permite responder a algumas dúvidas sobre medicamentos, outros produtos de saúde e acima de tudo providenciar um aconselhamento especializado dado pela nossa equipa de farmacêuticos.  Fazemos um acompanhamento de patologias crónicas como a Diabetes ou a Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica e seguimos as pessoas polimedicadas, garantindo que tomam o medicamento certo, à hora certa, mantendo os princípios de efetividade e segurança das suas terapêuticas.

(JM) | E quanto tempo demora, em média, a resposta às questões colocadas pelos utentes?

(NM) | É imediata.

(JM) | Que desafios encontram as farmácias, atualmente? E quais as perspetivas a médio- longo prazo?

(NM) | Podemos dividir os desafios em termos temporais. A curto prazo: sobreviver à crise económica que se está a instalar no país e que também já afeta muitas das farmácias; a médio prazo: recuperar capacidade de receber e acompanhar os utentes das farmácias, bem como incrementar o nível de serviço prestado; e a longo prazo: conseguir estabelecer equipas de acompanhamento aos doentes com outros profissionais de saúde, de modo a que todos juntos possamos atuar mais na prevenção do que no tratamento.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas