Alberto Navia-Osorio: “A nossa missão é projetar a visão global da Viatris Portugal”
DATA
14/06/2021 09:29:51
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Alberto Navia-Osorio: “A nossa missão é projetar a visão global da Viatris Portugal”

O country manager da filial portuguesa da Viatris, em entrevista ao Jornal Médico, frisa que o pretendido é que os portugueses vejam a empresa como “empenhada em assegurar o acesso a medicamentos para toda a população”. Alberto Navia-Osorio deixa ainda uma nota para o futuro: “O compromisso da Viatris Portugal é promover o seu crescimento”.

Jornal Médico | Quais os seus antecedentes profissionais que considera uma mais-valia para assumir este desafio?

Alberto Navia-Osorio | Não tenho dúvidas de que o meu percurso académico teve uma enorme relevância na minha preparação para o desafio de assumir o papel de country manager da filial portuguesa da Viatris, uma nova empresa global de cuidados de saúde com grande significado a nível global e nacional. Sou licenciado em Farmácia, pela Universidade de Barcelona, instituição a que regressei para concluir o meu doutoramento em Biotecnologia, e tenho um MBA, pela Faculdade de Manhattan. Nos mais de 20 anos de carreira na Pfizer, ocupei diversas funções, desde delegado de informação médica a diretor de operações em vários países europeus e asiáticos. E por isso, considero-me bastante familiarizado com a história e as origens da empresa.

JM | Já fazia parte da Viatris ou é uma nova viagem na sua vida profissional?

ANO | Estive na Pfizer durante duas décadas; em 2018, tornei-me o general manager da Upjohn Espanha, unidade da Pfizer que se fundiu com a Mylan e deu origem à Viatris. Desde a constituição da empresa, em 2020, que assumi o papel de country manager da filial portuguesa da Viatris. É com imenso orgulho que acompanho a marca desde o seu início.

JM | Quais são as forças que identifica na Viatris? Que áreas gostaria de melhorar?

ANO | A nível global temos um portefólio muito completo com medicamentos essenciais para os cidadãos, incluindo vários medicamentos com marcas-ícone indicadas para situações agudas e crónicas. O nosso trabalho, apoiado na experiência regulamentar e comercial de renome, oferece medicamentos que tratam nove das 10 principais causas de morte listadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS); e, para além disso, mais de 200 dos nossos medicamentos integram a lista de medicamentos considerados essenciais pela OMS. A fusão entre as duas empresas reforçou, ainda, as nossas capacidades digitais, como é o caso da comunicação omnichannel, resultando num maior apoio das nossas áreas de particular cuidado, tais como os medicamentos biossimilares ou os medicamentos para a prevenção da trombose. Para assegurar este desenvolvimento foi criada a nova área de Customer Analytics & Insights, que se dedica a analisar o mercado e a implementar as melhores estratégias digitais.  Em Portugal, o grupo de empresas que compõem a Viatris são líderes, em unidades e em valor, no mercado farmacêutico de ambulatório. Em 2020, e no mercado de ambulatório nacional, por minuto, foram vendidas 43 unidades dos nossos produtos (dados HMR 2020).  Ainda a nível nacional, temos um portefólio notório, e atualmente em crescimento, na área do sistema nervoso central e pretendemos reforçar a nossa presença no universo das doenças não transmissíveis, como, por exemplo, a dislipidemia, distúrbios respiratórios e alérgicos, ou a dor neuropática.

JM | Que novos caminhos aponta para o vosso pipeline?

ANO | Este ano mantemos o nosso compromisso com os doentes e reforçamos a nossa aposta na introdução de novos medicamentos que proporcionem uma melhor qualidade de vida aos cidadãos. Prevemos lançar um medicamento sujeito a receita médica, dois medicamentos genéricos, um medicamento não sujeito a receita médica (OTC) e um total de três medicamentos hospitalares, dos quais dois foram recentemente lançados. Em paralelo, vamos continuar a apostar numa estratégia omnichannel diferenciadora que permite manter uma comunicação clara e consistente com os profissionais de saúde.

JM | Que metas pretende atingir a curto prazo no mercado português? Em que setor de investigação da empresa?

ANO | Neste momento, a nossa missão é assegurar, para a Viatris Portugal, a implementação eficaz da sua visão global. O propósito da Viatris Portugal é promover o seu crescimento, o que irá depender do cumprimento das metas financeiras previstas para este ano (receita e lucro), do incentivo de empowerment dos nossos colaboradores, proporcionando-lhes uma empresa sólida, empenhada e inclusiva, garantindo a eficiência pelo desenvolvimento de capacidades, parcerias e estratégias.

JM | Sob a sua direção, de que forma quer que o mercado português passe a olhar a Viatris?

ANO | Quero que os portugueses nos vejam como uma empresa extremamente empenhada em assegurar o acesso a medicamentos para toda a população, com o grande objetivo de desenvolver soluções inovadoras e motivada em utilizar a experiência coletiva que detém, bem como o histórico e conhecimento provenientes das duas grandes forças farmacêuticas, para melhorar a condição das pessoas.

JM | Que cunho pessoal pretende imprimir na nova direção?

ANO | Considero-me uma pessoa ligada e focada em pessoas. Enquanto dirigente desta empresa, assumo o compromisso de aproximar pessoas e trabalhar para aumentar as suas competências. Neste sentido, acredito que a construção de uma cultura organizacional empenhada em realçar o potencial do seu capital humano seja essencial para garantir o sucesso de qualquer organização.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas