António Pina: “A YesDoc nasce da ideia de agregar novas tecnologias à Medicina”
DATA
01/09/2021 09:38:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




António Pina: “A YesDoc nasce da ideia de agregar novas tecnologias à Medicina”

Sim. Ou, melhor, YesDoc. A nova plataforma digital de telemedicina levou-nos ao encontro de António Pina. O cofundador desta app – desenhada e desenvolvida por profissionais portugueses – revela-nos que, desde o primeiro momento, a motivação foi conjugar Medicina com as novas tecnologias que tornam o mundo cada vez mais próximo, apesar das distâncias, num contexto em que a qualidade do serviço é valor intocável. O entrevistado sublinha que o principal critério para um clínico poder figurar na plataforma é ter inscrição ativa na Ordem dos Médicos (OM). Entretanto, estão já operacionais na YesDoc as especialidades de Medicina Geral e Familiar (MGF), Medicina Interna, Ginecologia/Obstetrícia, Ortopedia, Pediatria, Reumatologia, Cardiologia, Gastrenterologia, Psiquiatria, Hematologia e Saúde Pública.

“A ideia foi, desde o primeiro momento, associar Medicina e novas tecnologias, propiciando uma solução que permita a realização de consultas médicas à distância, através de vídeo e som, evitando toda a logística associada a uma consulta presencial, sem negligenciar a qualidade. Daí nasceu a YesDoc, construída de raiz, em estreita colaboração com a classe médica. Ou seja, uma verdadeira startup criada e desenvolvida por profissionais portugueses”, conta António Pina.

O responsável avança que a principal vantagem da YesDoc é a possibilidade de os clínicos exercerem a sua profissão através de um autêntico consultório online, sem custos de infraestrutura ou pessoal, permitindo-lhes fazer a gestão individual da sua agenda, de acordo com a sua disponibilidade. Até agora, o número de profissionais inscritos já ultrapassou as expectativas.

“A YesDoc tinha como objetivo chegar aos 15 profissionais médicos inscritos até ao final de agosto de 2021. Atualmente, esse objetivo já se encontra ultrapassado. Para isso, muito contribui, também, o facto de termos disponível um conjunto de especialidades médicas bastante diversificado, onde predomina a MGF, mas que contempla a Medicina Interna, a Ginecologia/Obstetrícia, a Ortopedia, a Pediatria, a Reumatologia, a Cardiologia, a Gastrenterologia, a Psiquiatria, a Hematologia e a Saúde Pública”, sublinha o cofundador.

Questionado sobre a circunstância de a larga maioria dos habitantes de zonas geográficas distantes terem dificuldade de acesso à internet e/ou baixa literacia em comunicação via meios digitais, António Pina é da opinião de que “mesmo as pessoas que poderão ter menos contacto com soluções tecnológicas sabem fazer uma videochamada através, por exemplo, do FaceTime ou do WhatsApp”, sendo que a aplicação foi construída para que o acesso aconteça de "modo simples e seguro”.

Na mesma linha, o entrevistado assegura que a informação trocada entre o paciente e o médico é privada, não ficando guardado nenhum registo de áudio nem vídeo. “A YesDoc cumpre todos os padrões de proteção de dados/privacidade (portugueses e europeus) HIPAA Compliant", certificação atribuída pela norma internacional que estabelece os requisitos de Segurança e Privacidade e Notificações.

“Somos uma solução exclusiva para médicos e não pretendemos alargar o seu âmbito a outras classes profissionais, o que também, obviamente, nos diferencia de outras soluções”, conclui António Pina.

Espreitemos o preçário da YesDoc: para as consultas médicas realizadas entre as 8h00 e as 20h00 de cada dia útil, o valor é de 40€; e de 50€, após as 20h00 até às 8h00. Durante os fins de semana e feriados, independentemente da hora, o valor das consultas é sempre de 50€. Entretanto, os fundadores estão a encetar negociações com as seguradoras para que a cobertura contratual possa ter impacto no pagamento da consulta. Para já, essa cobertura [contratual] é feita por reembolso.

A YesDoc, disponibilizada na Apple Store e Google Play, foi construída por Paulo Cunha, engenheiro de formação e um apaixonado pela inovação e criação de soluções digitais, além de sócio principal da Medidata, empresa líder em sistemas de informação para a administração pública local, e por António Pina, formado em Direito e com um percurso profissional de 30 anos na área da consultoria, principalmente na Deloitte em Portugal. Conta, ainda, com o contributo de Rogério Ribeiro, também com formação académica em Engenharia e vasta experiência internacional, tendo estado ligado ao desenvolvimento de novas soluções na Alert.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas