Margarida Dias:  "O sucesso deste projeto em outcomes de saúde assenta essencialmente na proximidade"
DATA
31/08/2022 09:28:30
AUTOR
Jornal Médico
Margarida Dias: "O sucesso deste projeto em outcomes de saúde assenta essencialmente na proximidade"

A recém-criada Unidade da Família, da Clínica CUF Alvalade, realiza em outubro de 2022, no Hotel VIP Executive Entrecampos, as I Jornadas da Unidade da Família, onde serão abordados diversos temas, entre os quais o envelhecimento e vida saudável. O Jornal Médico esteve à conversa com Margarida Dias, coordenadora da Unidade da Família da Clínica CUF Alvalade, para conversar acerca desta nova Unidade num setor privado e das expectativas para a primeira edição deste evento. Leia a entrevista na integra.

A que se propõe a Unidade da Família da Clínica CUF Alvalade e porque motivo foi criada?

Com enfoque particular na identificação precoce e modificação dos fatores de risco para a doença e na longevidade crescente da população, a Unidade da Família foi criada com o objetivo de garantir uma oferta multidisciplinar, organizada e alargada de cuidados primários, no sector privado. A Unidade da Família da Clínica CUF Alvalade propõe-se a prestar cuidados de saúde orientados para as várias fases do ciclo de vida.

A planificação e constituição da Unidade da Família da Clínica CUF Alvalade surge em resposta ao desafio que a atualidade coloca aos prestadores de cuidados de saúde de conseguirem uma cada vez maior articulação, eficácia e eficiência, na gestão dos melhores recursos, humanos e tecnológicos, simultaneamente orientados para o mesmo foco: a intervenção preventiva, atempada e promotora da saúde, mesmo na gestão da doença já instalada.

Como funciona a Unidade da Família da Clínica CUF Alvalade?

A Unidade da Família funciona assente numa cultura médica pluri-especialidade que presta cuidados, em rede, embebidos do papel habitual da Medicina Familiar, em que as outras especialidades médicas, clínicas e cirúrgicas, passam a ser uma continuidade desses mesmos cuidados. O sucesso deste projeto em outcomes de saúde assenta essencialmente na proximidade, comunicação fácil, acessibilidade e ampla oferta de respostas diferenciadas, proporcionando um plano de intervenção ajustado a cada pessoa.

Lê-se que esta Unidade possui “toda a capacidade de integração das várias especialidades subsidiárias da Medicina Geral e Familiar, criando uma verdadeira rede de articulação de cuidados”. Em que medida consideram importante esta abordagem multidisciplinar?

A equipa profissional é constituída por uma equipa de médicos de Medicina Geral e Familiar, enfermeiros e técnicos auxiliares, assim como um conjunto bastante alargado de médicos de várias especialidades. Na retaguarda conta com o serviço de urgência, hospital de dia, bloco e internamento do Hospital CUF Descobertas, unidade com a qual se articula.

Em que consistem as “consultas temáticas” e de que forma podem contribuir para uma melhoria nos cuidados de Saúde do doente?

De forma integrada e multiprofissional, dando particular atenção a grupos de risco, desenvolvemos a oferta de consultas especializadas na gestão de desafios comuns a condições mais vulneráveis para a saúde. Assim, já foram iniciadas as consultas de “Cessação tabágica”, “Prescrição de Exercício Físico”, “Consulta do Adolescente” e “Consulta de Menopausa”. Algumas outras irão, em breve, ser disponibilizadas.

Como surgiu a ideia para a realização das I Jornadas da Unidade da Família?

A organização das 1ªs Jornadas da Unidade de Família para médicos de Medicina Geral e Familiar foi incontornável pela necessidade inerente à prática assistencial de comunicarmos com os pares, partilharmos experiências e auto-desafiarmos-nos a evoluir na prestação de cuidados. Como grupo profissional, independente de atuarmos no sector público ou privado, esta partilha motiva a coesão, em benefício da população que acompanhamos, e tantas vezes, em conjunto.

“Literacia em saúde, Transformação digital; Value Based Health care na gestão da doença crónica; Patologia cardiovascular (Insuficiência cardíaca, Dislipidemia e Hipertensão); Nutrição nas principais patologias gástricas; Osteoporose; Envelhecimento e vida saudável”. Por que motivos elegeram estes temas para as I Jornadas da Unidade da Família e de que forma é importante discuti-los?

Na elaboração do programa, tivemos como princípios a seleção de temas clínicos pertinentes na atualidade e, porventura, menos abordados nas reuniões científicas ao longo do ano. Também se espelha no programa a vontade de contemplarmos intervenções de âmbito mais organizacional, concretizando a participação mais ativa dos intervenientes na evolução da estruturação dos cuidados, com resposta a desafios reais.

Quais as expectativas para este primeiro evento?

A expectativa mais ambiciosa é que este evento seja uma experiência com valor reconhecido por todos os participantes, de modo a que sejam as 1ªs de muitas jornadas que anualmente passem a estar na agenda dos Médicos de Medicina Geral e Familiar da grande Lisboa.

De que forma a realização destas Jornadas são importantes para a recém-criada Unidade da Família CUF Alvalade?

As 1ªs Jornadas da Unidade da Família são a primeira ocasião de, publicamente, apresentarmos e divulgarmos, junto da comunidade científica, este projeto inovador e diferenciador de prestação de cuidados de saúde primários, numa unidade privada de saúde. Também são importantes para alimentar o nosso espírito inconformista e para desenvolver as nossas competências, através da partilha de outras iniciativas inspiradoras, e continuarmos a evoluir na nossa forma de ser médico.

 

Saiba mais sobre as I Jornadas da Unidade da Família, aqui

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.