O ministro da Saúde indicou, na passada sexta-feira, a inexistência de novos casos de sarampo confirmados e apelou aos profissionais de saúde para se vacinarem contra a doença caso não estejam ainda imunizados.

O ministro da Saúde afirmou ontem que a vacinação de crianças contra o sarampo entre os seis os 12 meses, mediante prescrição médica, se enquadra num conjunto de medidas adotadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) face ao acompanhamento da doença.

As declarações surgiram esta manhã na conferência de imprensa em que foi confirmada a morte de uma jovem de 17 anos, que não se encontrava imunizada, durante a madrugada de hoje, no Hospital Dona Estefânia, resultante “de uma situação clínica infeciosa com pneumonia bilateral - sarampo”.

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) afirmou que o anúncio do ministro da saúde de pagamento das horas extraordinárias a 75% aos médicos “é positivo, mas não o suficiente” para desconvocar a greve marcada para maio.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou o desejo de que os portugueses possam ter "uma melhor saúde no futuro", declarações que surgiram durante a inauguração de uma exposição que assinala o arranque do futuro espaço-sede do Museu da Saúde.

O secretário regional da Saúde da Madeira, Pedro Ramos, anunciou ontem a realização de uma "mega" reunião, no Funchal, entre o Ministério da Saúde e a Secretaria Regional da Saúde sobre a construção do novo hospital durante o mês de maio.

O bastonário da Ordem dos Médicos criticou o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, pelo recurso à contratação de médicos tarefeiros, apontando que "tudo fará" para que os médicos que trabalham no Serviço Nacional de Saúde (SNS) sejam, de facto, contratados.

O Partido Social Democrata (PSD) questionou o Governo sobre o alegado desaparecimento de listas de espera para cirurgia ortopédica no Hospital Fernando Fonseca e falta de resposta da Unidade de Alcoologia de Lisboa e Vale do Tejo.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, defendeu ontem a necessidade de se olhar para o setor da Saúde de "uma forma diferente" e afirmou que o Estado "não deve ter medo dos parceiros económicos".

O ministro da Saúde quer avançar com uma iniciativa legislativa para impedir a transferência de doentes com cancro do privado para o público a meio do processo de tratamento por motivos financeiros.

 

O ministro da Saúde admitiu ontem que, “em breve, o Governo estará em condições de cumprir o que prometeu” relativamente à capacidade do país internalizar o consumo de plasma e ter a menor dependência possível dos privados.

O Ministro da Saúde assinalou 2016 foi “um ponto de viragem” no Serviço Nacional de Saúde e que o estudo hoje apresentado prova que as taxas moderadoras estavam a ser um agente de barreira no acesso.

 

A Ordem dos Médicos (OM), a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) convocaram, para esta sexta feira, uma reunião alargada a todas as associações médicas com o objetivo de definir uma estratégia concertada de defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e da dignidade dos médicos.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, defendeu "a realização de orçamentos plurianuais” para o setor, que apontou como uma medida “útil”, à margem do Encontro das Ordens Profissionais da Saúde, evento que ocorreu em Lisboa.

O PSD afirmou, na passada sexta feira, que ocorreram menos 2,5 milhões de consultas durante um ano nos cuidados primários de saúde, embora os dados do Ministério da Saúde apontem para um ligeiro aumento entre 2015 e 2016.

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) vai ter este ano um centro de diagnóstico em Lisboa para realizar exames, respondendo a pedidos de hospitais e centros de saúde.

O PSD acusou o ministro da Saúde de não ter dado esclarecimentos suficientes sobre o projeto-piloto que pretende aplicar nas urgências hospitalares da região Norte, medida que os sociais-democratas temem que limite o acesso dos utentes.

Pág. 8 de 14
Alexandre Borges

Uma rubrica da autoria de Alexandre Borges

Escritor, cronista, argumentista integrou as equipas responsáveis por Zapping, Equador, 5 para a Meia-noite ou A Rede.
Colaborou com o Rádio Clube Português, o Observador, O Inimigo Público e a revista Atlântico.
Foi editor de cultura de A Capital e crítico de cinema do jornal i.
É Creative Director da LPM.