LivroAlbinoAroso

O livro “Albino Aroso - um homem à frente do seu tempo” foi ontem apresentado na Sede da Secção Norte da Ordem dos Médicos com o objectivo de lembrar o propulsor das consultas de Planeamento Familiar em Portugal.

O livro, desenvolvido pelo Hospital do Futuro em parceria com a Gedeon Richter, pretende recordar e homenagear uma personalidade que modificou por completo a área da ginecologia em Portugal, tornando-a acessível às mulheres e conferindo-lhes poder de decisão quanto à sua saúde sexual e reprodutiva. A apresentação contou com a presença de várias personalidades como Ana Jorge, ex-ministra da Saúde, Francisco Ramos, presidente do Conselho de Administração do IPO de Lisboa, e Fernanda Águas, presidente da Sociedade Portuguesa de Ginecologia, que assim homenagearam o pai do planeamento familiar em Portugal.

“Esta homenagem é para mim muito reconfortante, quer em termos institucionais, quer em termos pessoais. A nível institucional é um reconhecimento de todo o trabalho desenvolvido por Albino Aroso em prol da saúde da mulher e da criança. Não conheço maior defensor da mulher. Em termos pessoais foi como um pai que estimulou a minha actividade profissional durante vários anos”, comentou Luís Castanheira Nunes, presidente da Administração Regional de Saúde do Norte.

A obra conta com vários textos elaborados por familiares, amigos e colegas que trabalharam e conviveram com Albino Aroso, ginecologista e antigo secretário de Estado da Saúde. Alguns dos exemplos dos textos contemplados no livro são os de Paulo Macedo, Manuel Ferreira Teixeira, Eurico Castro Alves, Francisco George, José Manuel Silva, Germano Couto e representam entidades como Ministério da Saúde, Infarmed, Direcção-geral da Saúde, Ordem dos Médicos, Ordem dos Enfermeiros, entre outras. Também as várias sociedades e instituições na área da ginecologia se encontram representadas.

Albino Aroso sempre defendeu, ao longo do seu percurso, o poder de decisão das mulheres relativamente ao momento em que desejassem construir família e ter filhos, tendo criado o conceito das consultas de Planeamento Familiar no nosso país. Este foi também o grande responsável pela redução da taxa de mortalidade infantil, posicionando Portugal entre os melhores do mundo a este nível. O livro surge assim como uma homenagem e reconhecimento pela vertente humanista de Albino Aroso, bem como por o seu trabalho perpetuado até aos dias de hoje.

Em Portugal, os cidadãos podem aceder a consultas de Planeamento Familiar nos centros de saúde com equipas multiprofissionais para o esclarecimento das dúvidas e questões no domínio da saúde sexual e reprodutiva.

Legenda da fotografia (da esquerda para a direita): Manuel Estrela – Director-geral da Gedeon Richter, Ana Aroso – Ginecologista Obstetra e filha de Albino Aroso, Ana Jorge – antiga ministra da Saúde, David Magboulé – Consultor principal do Hospital do Futuro.

[caption id="attachment_5576" align="alignleft" width="300"]albinoaroso Albino Aroso, nascido em Vila do Conde a 22 de Fevereiro de 1923, professor da Universidade do Porto e antigo secretário de Estado (em 1976 e depois em 1989), morreu ontem disse fonte oficial.[/caption]

“A medicina portuguesa está de luto” pela morte do médico e professor Albino Aroso, a cuja família o ministro da tutela já enviou “as mais sentidas condolências”, informa o Ministérioda Saúde em comunicado enviado às redacções.

Albino Aroso, nascido em Vila do Conde a 22 de Fevereiro de 1923, professor da Universidade do Porto e antigo secretário de Estado (em 1976 e depois em 1989), morreu ontem disse fonte oficial.

“Pelo seu contributo decisivo no combate à mortalidade infantil, o Ministério da Saúde presta-lhe a devida homenagem”, diz um comunicado do Ministério, no qual se lembra o percurso do médico “que mais influenciou o desenvolvimento da saúde da mãe e da criança”.

O ministério lembra a contribuição do professor para a construção do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o trabalho que fez em aldeias do norte do país de esclarecimento sobre a contracepção e planeamento familiar, “num tempo em que não era fácil abordar o tema”.

“A ele se devem os alicerces de uma efectiva política de saúde familiar integrada e integradora. Em 1976, como secretário de Estado da Saúde do VI Governo Provisório Constitucional, Albino Aroso aprovou a primeira legislação sobre o planeamento familiar”, diz o comunicado, acrescentando ter sido uma acção “decisiva para colocar Portugal entre os cinco países do mundo com melhores taxas de mortalidade infantil”.

O Ministério lembra ainda de Albino Aroso que foi distinguido por todos os Presidentes da República do regime democrático e que em 2006 foi laureado com o Prémio Nacional de Saúde.

Ou que é um dos 65 médicos do mundo escolhidos pela Associação Médica Mundial como dos mais dedicados a causas públicas no campo da saúde.

Alexandre Borges

Uma rubrica da autoria de Alexandre Borges

Escritor, cronista, argumentista integrou as equipas responsáveis por Zapping, Equador, 5 para a Meia-noite ou A Rede.
Colaborou com o Rádio Clube Português, o Observador, O Inimigo Público e a revista Atlântico.
Foi editor de cultura de A Capital e crítico de cinema do jornal i.
É Creative Director da LPM.