Os médicos passam a partir de hoje a poder passar receitas através do telemóvel, deixando de ter de o fazer só em computadores com leitor de cartões.

Um estudo realizado pela Nova Healthcare Initiative – Research, da Universidade Nova de Lisboa, revela que 25 por cento dos pedidos de consulta de oftalmologia podem ser resolvidos por optometristas, dada a natureza das condições referenciadas e caso estes profissionais fossem integrados no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, e a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos (OF), Ana Paula Martins, visitam esta sexta-feira, dia 15 de fevereiro, a Farmácia Vitória, no Porto, onde vão assinar a Petição Pública “Salvar as Farmácias, Cumprir o SNS”, na qual se propõe um conjunto de objetivos para um programa legislativo dirigido ao setor farmacêutico, com o objetivo de garantir um acesso equitativo de todos os cidadãos aos medicamentos.

O número de urgências hospitalares registou uma subida ligeira no ano passado, com mais de 6,36 milhões de atendimentos, depois de ter registado uma redução em 2017, segundo números do Ministério da Saúde.

As consultas de medicina geral e familiar deverão ter uma duração padrão entre os 30 e os 45 minutos, segundo uma proposta da Ordem dos Médicos que define tempos mínimos de intervalo entre cada consulta.

A Ordem dos Médicos vai apresentar ao Ministério da Saúde uma “proposta concreta” para ultrapassar os problemas informáticos no Serviço Nacional de Saúde, tentando melhorar os sistemas.

O primeiro-ministro considerou hoje que há duas visões ideológicas distintas sobre o sistema de saúde em Portugal, defendendo que a proposta do Governo de lei de bases pretende reafirmar a matriz originária da Constituição.

As dívidas e receitas provenientes do Estado relativas ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão ser explicadas na quarta-feira no parlamento pela ministra Marta Temido, na sequência de um relatório do Tribunal de Contas publicado a 8 de janeiro.

A Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) lamenta que os representantes políticos continuem a ignorar o problema de degradação da formação médica em Portugal, com tendência para se agravar ano após ano e com consequências diretas e graves para a qualidade do SNS.

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, revelou esta terça-feira que vai propor ao Governo uma “adaptação” à política de contratação de profissionais e “incentivos adequados” para resolver o problema das regiões periféricas.

A ministra da Saúde disse esperar que enfermeiros e Governo estejam à altura de responder às necessidades de um Serviço Nacional de Saúde "que funciona de forma tranquila" e que "está lá quando os portugueses precisam".

O hospital Curry Cabral, em Lisboa, vai receber o primeiro robô cirúrgico do Serviço Nacional de Saúde, anunciou a administração do hospital.

As macas retidas no hospital de Santo André, do Centro Hospitalar de Leiria, estão a deixar dezenas de ambulâncias inoperativas.O Centro Hospitalar de Leiria já ativou o plano de contingência face à "elevadíssima procura".

O aumento do preço das bebidas alcoólicas e a diminuição da exposição ao marketing e consumo são as metas do plano europeu da Organização Mundial de Saúde (OMS) hoje em debate por especialistas reunidos, até terça-feira, em Santo Tirso.

Em 2018, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) teve uma evolução na despesa significativa, embora não excessiva, face ao passado recente, evidenciando progressos muito evidentes de internalização na prestação de serviços.

Pouco mais de metade dos inquiridos pela revista Teste Saúde utilizam as plataformas na Internet – como o Portal do Serviço Nacional de Saúde – para a marcação de consultas ou exames médicos, e quase um quarto nunca ouviu falar delas.

A dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) fixou-se, no ano passado, abaixo dos 500 milhões de euros.

Pág. 13 de 34
Alexandre Borges

Uma rubrica da autoria de Alexandre Borges

Escritor, cronista, argumentista integrou as equipas responsáveis por Zapping, Equador, 5 para a Meia-noite ou A Rede.
Colaborou com o Rádio Clube Português, o Observador, O Inimigo Público e a revista Atlântico.
Foi editor de cultura de A Capital e crítico de cinema do jornal i.
É Creative Director da LPM.