AFP tem agendado, para a próxima sexta-feira, o fórum «Farmácias: Que Futuro?»
DATA
10/12/2013 15:45:44
AUTOR
Jornal Médico
AFP tem agendado, para a próxima sexta-feira, o fórum «Farmácias: Que Futuro?»

[caption id="attachment_5299" align="alignleft" width="300"]encontrofarmacias Segundo a AFP, questões que estão na ordem do dia, como as alterações nas margens de comercialização dos medicamentos, a regulamentação de medicamentos não sujeitos a receita médica de venda exclusiva em farmácia ou as cada vez mais frequentes rupturas de stock, estarão em debate em três painéis subordinados aos temas O Farmacêutico e Doente: uma relação de Confiança; Farmácias: Que Futuro?; o circuito do Medicamento: do laboratório ao doente[/caption]

Em nota enviada às redacções, a Associação de Farmácias de Portugal (AFP), informa que se realizará na próxima sexta-feira, dia 13, um fórum dedicado ao tema “O futuro das farmácias em Portugal". O encontro decorrerá entre as 9h e as 16h, na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (Parque das Nações, junto ao Campus da Justiça).

Segundo a AFP, questões que estão na ordem do dia, como as alterações nas margens de comercialização dos medicamentos, a regulamentação de medicamentos não sujeitos a receita médica de venda exclusiva em farmácia ou as cada vez mais frequentes rupturas de stock, estarão em debate em três painéis subordinados aos temas O Farmacêutico e Doente: uma relação de Confiança; Farmácias: Que Futuro?; o circuito do Medicamento: do laboratório ao doente.

Ainda de acordo com a organização, o Fórum será um ponto de encontro dos vários players do setor do medicamento. Entre outros intervenientes, o evento conta com a presença do Secretário de Estado da Saúde, Manuel Teixeira, do Presidente do INFARMED I.P., Eurico Castro Alves, do Presidente da APIFARMA, João Almeida Lopes e do Presidente da empresa de distribuição OCP, Rui Carrington.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas