Novo adesivo contraceptivo transparente de baixa dosagem da Bayer recebe “luz verde” na UE
DATA
17/02/2014 16:20:19
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Novo adesivo contraceptivo transparente de baixa dosagem da Bayer recebe “luz verde” na UE

bayerpatchA Bayer HealthCare concluiu com sucesso o processo europeu de registo do novo adesivo contraceptivo transparente de baixa dose (gestodeno/etinilestradiol). As autoridades de saúde dos Estados-Membros da União Europeia irão agora conceder homologações nacionais para este produto, informou a companhia, em comunicado.

"O novo adesivo contraceptivo trará às mulheres uma opção adicional de um contraceptivo de baixa dose", disse o Dr. Jörg Möller, membro do Comité Executivo da Bayer HealthCare e Chefe de Desenvolvimento Global.

O adesivo contraceptivo transdérmico é pequeno, redondo e transparente e contém 2,1 mg gestodeno e 550 microgramas de etinilestradiol. Cada adesivo transdérmico liberta 60 microgramas de gestodeno por cada 24 horas e 13 microgramas de etinilestradiol por 24 horas. É aplicado uma vez por semana no abdómen, nas nádegas ou na parte superior e exterior do braço, locais onde oferece uma dose constante e contínua de hormonas durante um período de sete dias. A aplicação do adesivo tem igual eficácia do que doses orais conforme foi observado com a administração oral diária de um contraceptivo combinado contendo 60 microgramas de gestodeno e 20 microgramas de etinilestradiol. Cada adesivo deve ser renovado ao fim de sete dias, e ao fim de três semanas existe uma semana sem libertação de hormona.

Os dados de estudos clínicos que incluíram 4.200 mulheres em todo o mundo, mostram que o novo patch contraceptivo de baixa dosagem é eficaz com um bom perfil de segurança.

 

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.