Número de medicamentos utilizados aumentou 1,5% em 2014
DATA
31/12/2014 14:57:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Número de medicamentos utilizados aumentou 1,5% em 2014

medicamentos

O número de medicamentos utilizados em Portugal aumentou 1,5% em 2014 face ao ano anterior, estimando-se a dispensa de dois milhões de embalagens, com a comercialização dos genéricos a crescer para um quota de 46,3% de unidades dispensadas, segundo dados do Infarmed.

De acordo com um comunicado de imprensa da autoridade nacional do medicamento relativo ao ano de 2014, registou-se a dispensa de mais medicamentos que em 2013, com a utilização prevista de dois milhões de embalagens de medicamentos, o que equivale a um aumento em 1,5% face ao ano anterior, "a preços mais baixos".

Relativamente aos encargos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no mercado de ambulatório – incluindo subsistemas – continuam em linha com os de 2013, rondando os 1.160 milhões de euros.

Por outro lado, "o esforço dos cidadãos" com os medicamentos teve uma redução, estimando-se que os encargos sejam de 696 milhões de euros, ou seja, menos sete milhões de euros em relação ao ano passado.

Segundo o Infarmed, a comercialização de genéricos cresceu, face a 2013, “para uma quota de 46,3% de unidades dispensadas”. A utilização destes medicamentos permitiu “um potencial de poupança de 112 milhões de euros no período de Janeiro a Setembro, estimando-se que atinja os 150 milhões de euros até ao final do ano", refere o comunicado.

No mercado hospitalar prevê-se uma despesa de 969 milhões de euros, o que representa uma redução de 5,8 milhões de euros face a 2013 para o SNS. Em 2014 foram ainda aprovadas "22 substâncias activas para utilização em meio hospitalar, representando um aumento de 215% face a 2013, e 22 substâncias activas na área da comparticipação".

No período compreendido entre Janeiro e Setembro de 2014, “a inovação já representava para o SNS um investimento de 142 milhões de euros, valor acima dos 119 milhões de euros investidos pelo SNS em todo o ano de 2013", lê-se na nota do Infarmed.

Quanto à "acção inspectiva", em 2014 realizaram-se 1.358 inspecções a farmácias, distribuidores de medicamentos, fabricantes de medicamentos, entidades do circuito dos produtos cosméticos, entre outros, das quais resultaram 91 processos de contraordenação instaurados e 11 participações à Polícia Judiciária.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.