Eventos científicos presenciais “fora de moda” ou uma “tendência”?
DATA
07/04/2022 15:37:20
AUTOR
Carina Ferreira
Eventos científicos presenciais “fora de moda” ou uma “tendência”?

O surgimento súbito da pandemia de Covid-19 impactou negativamente o mundo, mas também se reconhece que serviu como estímulo para pensarmos e agirmos de forma diferente. Os recursos tecnológicos e sociológicos progrediram rápida e eficazmente, permitindo converter a nossa rotina do espaço físico para o virtual e a adaptação a uma nova forma de executar tarefas: teletrabalho, telescola, telemedicina, telecomércio. Alterámos o conceito de realizar, experienciar e viver os eventos e reuniões, reposicionando continuamente os nossos limites.

Os eventos online permitem estabelecer contacto rápido e eficaz, sobrepor distâncias, aumentar as audiências e as participações de especialistas e participantes internacionais que, na forma clássica, seria mais difícil alcançar, proceder a gravação mais facilitada e expedita de sessões para distribuição posterior de conteúdos, bem como eliminar algumas tarefas logísticas.

Ainda que os recursos tecnológicos existissem, a sua utilização universal e recorrente era incipiente, tendo a pandemia alavancado a oferta e frequência de uma panóplia sem fim de eventos online, disponíveis diariamente e à distância de um clique. Contudo, este modo de disseminar informação, conhecimento e experiência fez emergir algumas angústias e preocupações. Será que conseguimos acompanhar tudo isto? Teremos energia para seguir vários eventos online, por vezes, diariamente? Conseguimos discernir a sua qualidade? Os eventos presenciais, clássicos tenderão a desaparecer?

Embora esta forma de comunicação tenha colmatado a necessidade de formação/informação contínua, ficou a saudade da sociabilização, do toque humano. Com o início de um novo ano, encetamos a seleção e programação de eventos científicos desejando, para além da partilha de informação atual e relevante, a retoma das interações pessoais inerentes aos eventos clássicos que não podem ser experienciadas pelo ecrã do computador. Não depreciando os amplos benefícios da comunicação online, esta ainda não substitui a mais valia das interações pessoais. Com efeito, aos eventos presenciais acrescem múltiplas e importantes vantagens, como:

Benefícios psicológicos

Todos já lemos sobre os efeitos nefastos psicológicos associados a este período pandémico, consequência dos longos períodos de confinamento e isolamento. Para muitos, as pessoas que se (re)encontram nos eventos presenciais são uma família longe de casa, que proporciona um certo bem-estar emocional.

Por outro lado, a linguagem corporal e outros sinais são cruciais para orientar as conversas, sendo extremamente difíceis de captar e reconhecer num evento virtual.

Aprendizagem de Alto Nível

É habitual a presença num único ambiente dos melhores profissionais reunidos e dispostos à interação em prol dos melhores resultados em saúde. As oportunidades de adquirir conhecimento de qualidade surgem de múltiplas partes, desde os palcos até conversas despretensiosas à hora do almoço. Este tipo de evento constituiu uma experiência imersiva, que dificilmente as ferramentas online poderiam oferecer.

Ambiente Ideal para Insights

A presença de uma diversidade de oradores (especialistas, profissionais com mais ou menos experiência, como internos ou mesmo alunos) constitui um ambiente propenso para construção de pensamentos, surgimento de novas ideias e dicas relevantes, que podem levara futuros projetos.

De enfatizar também a possibilidade de networking académico e profissional. Com efeito, a configuração presencial de eventos é favorável à conversação e debate de ideias, que podem gerar oportunidades de trabalho e partilha de informações.  Este tipo de interação orgânica é quase impossível de replicar em encontros virtuais, que não favorecem a espontaneidade da interação presencial.

Consequentemente, é expectável que após, um evento presencial relevante, a perspetiva de cada um se reformule, os pensamentos se transformem e as oportunidades se multipliquem. Por tudo isto, os eventos clássicos presenciais poderão ser a tendência. 

Carina Ferreira

membro da Direção Nacional da APMGF.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.