Número de fumadores aumentou desde 1980 com aumento da população
DATA
08/01/2014 13:51:34
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Número de fumadores aumentou desde 1980 com aumento da população

[caption id="attachment_5625" align="alignleft" width="300"]tabaco Durante os últimos 32 anos, quatro países – Canadá, Islândia, México e Noruega – reduziram em mais de 50% a proporção de fumadores nas suas populações. Mas um forte aumento da população mundial desde 1980 contribuiu para um aumento global de 41 % nos homens e de 7% nas mulheres que fumam diariamente[/caption]

A proporção da população mundial que fuma diminuiu desde 1980, mas o número de fumadores tem aumentado significativamente devido ao crescimento demográfico, de acordo com um estudo divulgado dia 7.

Em 187 países, a prevalência de fumadores diminuiu 42 % entre as mulheres e 25% entre os homens no período 1980-2012, diz o estudo realizado pelo Institute for Health Metrics e Avaliação (IHME) da Universidade de Washington, publicado numa edição especial do Journal of the American Medical Association dedicada ao tabagismo.

Esta série de investigação assinala o 50.º aniversário do primeiro relatório dos Estados Unidos sobre Tabagismo e Saúde, de Janeiro de 1964.

Durante os últimos 32 anos, quatro países – Canadá, Islândia, México e Noruega – reduziram em mais de 50% a proporção de fumadores nas suas populações. Mas um forte aumento da população mundial desde 1980 contribuiu para um aumento global de 41 % nos homens e de 7% nas mulheres que fumam diariamente.

Em 2012, a prevalência do tabagismo era mais elevada entre os homens do que entre as mulheres em quase todos os países, com excepção da Suécia.

Mais de 50% dos homens fumam diariamente em vários países, incluindo Timor-Leste (61%), Rússia (51%), Indonésia (57%) e Arménia (51,7%).

A proporção da população feminina que fuma ultrapassa os 25 % em países como a Áustria (28,3 %), França (27,7 %), Chile (26 %), e Grécia (34,7 %).

A menor prevalência de fumadores do sexo masculino está nos Barbados, São Tomé e Nigéria, enquanto a Eritreia, Camarões e Marrocos são os países onde a proporção de mulheres fumadoras é mais baixa (menos de 1 %). "Apesar dos progressos muito significativos contra o tabagismo ainda há muito a fazer", disse Christopher Murray, director do IHME.

Mais pessoas fumam actualmente do que na década de 1980, numa altura em que a população aumenta e os cigarros ganham popularidade em países como a China, Índia e Rússia.

Por exemplo, a China tinha em 2012 quase mais 100 milhões de fumadores do que há três décadas, apesar da sua taxa de tabagismo ter caído de 30% para 24% nesse período, indica o estudo.

De acordo com o documento, a taxa de fumadores do sexo masculino era de 41% em 1980, mas desde então caiu para 31%. Entre as mulheres, a estimada prevalência do fumo diário de tabaco era 10,6% em 1980, e em 2012 caiu para 6,2%.

"Esta desaceleração na tendência global foi em parte devido ao aumento do número de fumadores desde 2006 em vários países populosos como o Bangladesh, China, Indonésia e Rússia", segundo o estudo.

A China tinha 182 milhões de fumadores em 1980, e perto de 282 milhões em 2012.

A Índia ganhou 35 milhões de fumadores – para um total de 110 milhões – apesar da taxa de tabagismo ter diminuído de 19% para 13% da população.

A Rússia, onde um terço da população é fumadora, somou um milhão de fumadores desde 1980. Globalmente, o número de fumadores cresceu de 721 milhões em 1980 para 967 milhões em 2012.

O número de cigarros fumados por ano também subiu 26% nas últimas três décadas.

De acordo com o estudo mais recente da Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é responsável por 5,7 milhões de mortes por ano em todo o mundo, excluindo o fumo passivo.

 

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.