Índia assinala três anos sem qualquer caso de poliomielite
DATA
13/01/2014 12:10:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Índia assinala três anos sem qualquer caso de poliomielite

[caption id="attachment_5764" align="alignleft" width="300"]poliomielite O último caso da doença registado no país foi o de uma menina de dois anos na região de Bengala, nordeste, a 13 de Janeiro de 2011. EM 2010 tinham sido detectados 43 casos, em 2009 741, em 1991 um total de 6.028 e em 1985 cerca de 150.000[/caption]

A Índia assinala hoje três anos sem registar um caso de poliomielite e em Março a organização Mundial de Saúde (OMS) certificará o país, epicentro da doença até há pouco tempo, como livre da enfermidade.

“Alcançamos este feito devido a esforços consistentes e perseverantes”, disse ao The Times of India R. K. Saboo, um dos fundadores do programa indiano contra a pólio.

O mesmo responsável acrescentou que as gotas de pólio serão substituídas por vacinas de pólio inactiva no próximo ano e nos estados de alto risco.

O último caso da doença registado no país foi o de uma menina de dois anos na região de Bengala, nordeste, a 13 de Janeiro de 2011. EM 2010 tinham sido detectados 43 casos, em 2009 741, em 1991 um total de 6.028 e em 1985 cerca de 150.000.

“É um marco sem precedentes para um país que até 2009 tinha metade dos casos mundiais de pólio”, disse a representantes da OMS na Índia, Nata Menabde, num comunicado na página da Internet da organização.

O sucesso do programa indiano foi conquistado com campanhas massivas de imunização em que foram administradas cerca de 2,3 milhões de vacinas sob a supervisão de 155.000 pessoas, além da vacina oral a 172 milhões de crianças de cinco anos em todo o país.

A Organização Mundial de Saúde declara um país livre de pólio depois de um ano sem que seja registado qualquer caso e considera a doença irradiada após três anos sem infecções.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas