Paquistão: Peshawar é "o maior reservatório mundial" de poliomielite
DATA
18/01/2014 08:05:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Paquistão: Peshawar é "o maior reservatório mundial" de poliomielite

[caption id="attachment_5974" align="alignleft" width="300"]poliomielite1 Quase a totalidade dos casos de poliomielite registados em 2013 no Paquistão e no Afeganistão - que com a Nigéria são os rês únicos países do mundo onde a doença também conhecida por paralisia infantil é endémica -, estão geneticamente ligados a estirpes do vírus que foram verificadas em Peshawar, sublinhou a OMS, num comunicado[/caption]

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a cidade de Peshawar, no norte do Paquistão, como “o maior reservatório mundial” de casos de poliomielite, apelando para a intensificação da vacinação apesar dos obstáculos no terreno.

Quase a totalidade dos casos de poliomielite registados em 2013 no Paquistão e no Afeganistão - que com a Nigéria são os rês únicos países do mundo onde a doença também conhecida por paralisia infantil é endémica -, estão geneticamente ligados a estirpes do vírus que foram verificadas em Peshawar, sublinhou a OMS, num comunicado.

“Relacionada com 90% dos casos de poliomielite” registados em 2013, Peshawar e os seus cerca de quatro milhões de habitantes “são actualmente o maior reservatório do mundo de casos de poliomielite endémicos”, referiu a organização internacional.

Segundo a OMS, 83 dos 91 casos de poliomielite recenseados no Paquistão e 12 dos 13 casos verificados no Afeganistão estão relacionados com estripes identificadas na cidade, parcialmente habitada por afegãos.

A província de Khyber Pakhtunkhwa, que tem Peshawar como capital, e as zonas tribais vizinhas, localizadas ao longo da fronteira com o Afeganistão e reconhecidas como o principal esconderijo de rebeldes talibãs e de elementos da Al-Qaida, são as regiões paquistanesas mais afectadas pela poliomielite.

“A água em Peshawar e nas cidades adjacentes está contaminada” e o vírus propaga-se pela rede de esgotos e canalizações domésticas enferrujadas, explicou, em declarações à agência France Press, o ministro da Saúde da província de Khyber Pakhtunkhwa, Shaukat Ali Yousafzai, reafirmando o seu compromisso de erradicar a doença.

Mas, os esforços para erradicar a poliomielite estão a ser dificultados pelos ataques violentos perpetrados por grupos rebeldes e talibãs (mais de 25 mortos no último ano e meio) no território paquistanês ou pela oposição das comunidades mais conservadoras às campanhas de vacinação.

Estas comunidades alegam que as vacinas provocam infertilidade, defendendo ainda que as campanhas de vacinação servem os interesses de acções de espionagem ocidental.

Entre os três países onde a doença é endémica, o Paquistão foi o único país onde o número de casos de poliomielite aumentou entre 2012 e 2013, com mais 58 novos casos verificados, indicou a OMS.

Na segunda-feira, a Índia, país vizinho do Paquistão, assinalou três anos sem registar um caso de poliomielite.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas