Governo regional de Madrid suspende privatização de hospitais após decisão judicial
DATA
28/01/2014 11:24:18
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Governo regional de Madrid suspende privatização de hospitais após decisão judicial

[caption id="attachment_6232" align="alignleft" width="300"]hospitalinfantaleonor O Hospital Infanta D. Leonor, é uma das unidades que o governo regional pretende privatizar. Profissionais e população estão contra e as iniciativas de protesto têm-se multiplicado.[/caption]

O presidente do Governo regional de Madrid anunciou a suspensão do processo de privatização da gestão de seis hospitais públicos, depois de um tribunal madrileno ter deliberado manter a suspensão cautelar do processo.

Ignacio González informou sobre a decisão numa conferência de imprensa em Madrid em que confirmou a demissão do vereador de Saúde, Javier Fernández-Lasquetty, conhecida pouco depois da decisão do Tribunal Superior de Justiça de Madrid (TSJM).

No auto hoje conhecido a terceira secção do TSJM rejeita o recurso da Comunidade de Madrid contra a suspensão cautelar do processo de privatização da gestão, que tinha sido ditada em Setembro.

O TSJM rejeita ainda dois outros recursos contenciosos apresentados pelo sindicato de médicos Amyts.

Com a decisão de hoje o TSJM mantém a suspensão cautelar de Setembro o que mantém paralisado o processo de privatização, fortemente contestado com dezenas de manifestações em Madrid.

Na sua intervenção de hoje González garantiu aos jornalistas que o Governo regional não vai avançar com cortes adicionais no sector da saúde da região, ainda que continue o processo de "ajuste de gastos".

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas