Europacolon quer ser ouvida sobre rastreio do cancro colo-rectal
DATA
18/03/2014 19:25:43
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Europacolon quer ser ouvida sobre rastreio do cancro colo-rectal

colonoscospiaA Associação de Luta Contra o Cancro do Intestino (Europacolon) quer ser ouvida sobre normas de orientação clínica para o rastreio de base populacional do cancro colo-rectal e para a realização de colonoscopias.

A Europacolon tomou hoje, no Porto, posição sobre o despacho do Ministério de Saúde n.º 3756/2014, relativo aos cuidados ao abrigo da convenção para a endoscopia gastrenterológica, considerando o seu presidente, Vítor Neves, que ele "demonstra vontade política" para a introdução de um rastreio alargado à população e não apenas às pessoas que têm queixas.

"Contudo, será importante avaliar a capacidade de resposta que terá de ser significativamente aumentada em termos de disponibilidade de colonoscopias de diagnóstico" daquele cancro, sustenta também a Europacolon num documento distribuído à comunicação social com a sua "posição" sobre o despacho.

A Europacolon manifesta "grande apreensão" por se prever que a "sedação será executada por um gastrenterologista e com um produto que não faz parte do estado da arte, o que contraria os procedimentos estabelecidos, com o aumento potencial da insegurança do exame".

O médico, vereador da Câmara Municipal do Porto e também membro da Europacolon, Manuel Pizarro foi mais longe salientando que, "no ordenamento técnico-jurídico da medicina portuguesa, só pode fazer sedação quem for anestesista".

A Ordem dos Médicos pronunciou-se no mesmo sentido, avisando que o Ministério da Saúde está a propor uma sedação inadequada para as colonoscopias, que pode pôr em risco os doentes.

Manuel Pizarro admitiu, por seu lado, que "a questão dos custos tem o seu peso" nesta medida, "mas não pode sobrepor-se àquilo que é o ordenamento técnico das competências de cada profissional".

A sua opinião é que haverá uma "solução muito simples" para esta situação, "até porque não há nenhum gastrenterologista que se ofereça para fazer sedação".

Daniel Serrão acredita que o Ministério da Saúde fará as alterações necessárias ao seu despacho e de acordo com a "opinião de pessoas que estão no terreno, conhecem as situações e que podem dar uma assessoria de mais qualidade".

"Aguardamos com expectativa o conhecimento da elaboração das normas de orientação clínicas, prometidas até ao final de Março deste ano, dado que elas serão fundamentais para definir os critérios de rastreio, a metodologia a seguir e os meios necessários", realçou a Europacolon.

Segundo esta associação, "o cancro colo-rectal é o tumor maligno com maior incidência" em Portugal: anualmente, surgem "mais de 7.000 novos casos e morrem mais de 3.000 pessoas".

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas