Senhas de transporte e pequeno-almoço para doentes com tuberculose
DATA
24/03/2014 16:02:59
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Senhas de transporte e pequeno-almoço para doentes com tuberculose

Tuberculose DoenteOs doentes com dificuldades económicas vão receber senhas de transporte e ter direito a um pequeno-almoço como “incentivo” para cumprirem até ao fim o tratamento contra a tuberculose, que costuma durar seis meses, anunciou hoje a Direcção-Geral da Saúde.

O anúncio foi feito pelo director-geral da Saúde, Francisco George, e o coordenador do Programa Nacional para a Infecção VIH/Sida, António Diniz, no Dia Mundial da Tuberculose, que se assinala hoje.

Nesta cerimónia, os responsáveis da DGS congratularam-se com a descida de novos casos da doença – 2.142 em 2013 e 2.399 em 2012 – e sublinharam a necessidade dos tratamentos serem feitos até ao final.

Por essa razão, os locais onde os doentes com tuberculose costumam receber os medicamentos – que tomam mediante observação dos profissionais de saúde – vão passar a dispor de um pequeno-almoço para os infectados com necessidades económicas.

Outra ajuda que as autoridades de saúde vão assegurar é a oferta de senhas para transporte, de modo a que as dificuldades financeiras não impeçam as deslocações até aos locais para a toma assistida.

A coordenadora do Centro de Tuberculose, Raquel Duarte, disse na cerimónia de apresentação dos dados da doença em 2013 que “os incentivos aumentam o sucesso do tratamento”, uma situação que está “comprovadíssima”.

Por seu lado, António Diniz – que não gosta do termo “incentivo” – recordou que podem existir limitações à toma do medicamento por parte do doente, como o nível do preço dos transportes, pelo que as senhas de transporte podem ajudar.

“A toma do medicamento é limitada no tempo, só durante o tratamento, e o investimento nas senhas e no pequeno-almoço será seguramente suplantado pelos benefícios”, disse.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.