Partos e cesarianas custam nove vezes mais nos privados do que no SNS
DATA
11/04/2014 13:36:08
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Partos e cesarianas custam nove vezes mais nos privados do que no SNS

Parto1

O preço dos partos normais e das cesarianas nos hospitais privados chegam a custar nove vezes mais do que no Serviço Nacional de Saúde (SNS), segundo uma avaliação da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) ontem divulgada. “O diferencial público/privado é maior no caso dos partos, com partos vaginais e cesarianas a custarem no privado cerca de nove vezes mais do que no sector público”, refere um parecer da ERS publicado no site da instituição.

Este parecer surge na sequência de um pedido do ministro da Saúde sobre o limite de preços que os hospitais públicos podem praticar na sua relação com terceiros.

No documento da ERS, constata-se que um parto sem complicações no SNS surge com um preço de 289 euros, enquanto a média dos privados é de 2.985 euros. No caso das cesarianas, no público custam 467 euros e nos privados 4.643 euros.

Também as colonoscopias e mamografias apresentam diferenças consideradas significativas entre público e privado.

Dos casos analisados pela ERS, em todos os serviços, o preço nas tabelas do SNS é inferior, em média, ao que é praticado pela amostra usada de prestadores privados.

A excepção vai para os serviços de urgência, em que o preço na tabela do SNS é cerca de quatro euros mais elevado do que na média dos privados.

O estudo realizado pela ERS teve como objectivo “identificar limites aos preços praticados pelos hospitais públicos” e saber como os preços podem ser usados “para concorrer em mercados nacionais e internacionais de cuidados de saúde complementares à prestação de serviços no âmbito dos contratos-programa do SNS”.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.