Governo dos Açores quer limitar reembolsos na saúde
DATA
14/04/2014 17:21:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Governo dos Açores quer limitar reembolsos na saúde

AçoresO secretário regional da Saúde dos Açores, Luís Cabral, revelou hoje que o executivo pretende impor limites aos pedidos de reembolsos de consultas e exames feitos nos privados. Em declarações aos jornalistas em Santa Cruz da Graciosa, Luís Cabral sublinhou que, ao contrário do que acontece na Madeira e no continente, os Açores vão continuar a fazer reembolsos de consultas, exames ou tratamentos feitos em clínicas e consultórios privados, mas passará a haver um limite anual para os pedidos que cada utente poderá fazer.

Luís Cabral justificou as alterações por as unidades de saúde pública dos Açores terem “uma capacidade de resposta maior” do que aquilo que acontecia há uns anos, quando a legislação actual entrou em vigor.

Assim, sublinhou que o recurso aos privados e pedidos de reembolso devem, sobretudo, servir para questões de “rotina” e quando o utente necessita de mais acompanhamento deve ser encaminhado para os hospitais da região.

As áreas em que é possível pedir reembolsos vão manter-se e incluem, por exemplo, as análises clínicas, a medicina física e de reabilitação ou a compra de óculos. No caso das análises, especificou que cada utente poderá pedir reembolso duas vezes por ano, “conforme o tipo de análises” e, “havendo necessidade” de mais, o doente deve ser encaminhado para os serviços públicos.

O Governo Regional enviou as propostas de Portaria sobre esta matéria às entidades privadas com quem tem um sistema de convenções e reembolsos, terminando a consulta pública nos próximos dias. As novas portarias prevêem também uma aproximação das tabelas aos valores praticados no continente, segundo Luís Cabral. O Governo açoriano espera que o novo sistema “esteja definido até final deste mês”.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas