Ilha da Culatra recebe três equipamentos de primeiros socorros
DATA
28/04/2014 12:53:06
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Ilha da Culatra recebe três equipamentos de primeiros socorros

Ilha da Culatra

A população da Culatra, ilha barreira da Ria Formosa, conta desde sábado com três meios de primeiros socorros, no âmbito do projecto “Culatra Mais Segura”, disse o presidente da Cruz Vermelha de Faro, Norberto Martins.

A delegação da Cruz Vermelha trabalha em parceria com três associações da ilha, desde 2009, para melhorar as respostas na área social, na área da saúde e dos primeiros socorros, nas quais “eram visíveis as carências da população residente e visitante”, disse à agência Lusa aquele responsável.

Em parceria com Clube União Culatrense, a Associação Nossa Senhora dos Navegantes e a Associação de Moradores da Culatra, aquele organismo conseguiu abrir uma casa na ilha e, no sábado, foi entregue uma embarcação de transporte de pessoas e material, uma moto com maca para transporte de acidentados e um carrinho de combate a incêndios, "melhorando as respostas de socorro à população”.

Norberto Martins referiu que, em 2009, foi atribuído à Cruz Vermelha de Faro um contrato local de desenvolvimento social para dar respostas à população da Culatra, mas “além da área social foram também detectadas lacunas nas questões da saúde e do socorro, que precisavam de respostas”.

“Conseguimos que fosse aprovada uma candidatura ao programa operacional do mar (PROMAR) para aquisição destes equipamentos, num valor próximo dos 70 mil euros, e no sábado decidimos fazer uma cerimónia para os entregar e fazer uma exibição de como funcionam”, afirmou Norberto Martins.

A Lusa ouviu também a presidente da Associação de Moradores da Culatra, que considerou ser “muito importante” para a população residente e visitante poder contar com estes equipamentos, que vão “melhorar muito o socorro prestado” aos três núcleos da ilha – Culatra, Hangares e Farol, que “vivem numa situação de isolamento, em condições distintas das de quem vive em terra”.

Sílvia Padinha explicou que, até agora, qualquer pessoa que necessitasse de ser socorrida e transportada para um hospital tinha que “primeiro ser levada de maca, à mão, até ao cais de embarque, com desconforto para quem é transportado e com grande esforço físico e sacrifício dos socorristas” da Cruz Vermelha, que trabalham em regime de voluntariado.

“É uma duna com cerca de 1,5 quilómetros da praia até ao cais de embarque e essa distância, numa maca, com pessoas de algum peso, é um trabalho que acaba por ser muito doloroso. Com a moto com maca, os doentes sentem-se também mais confortáveis, porque não ficam expostos aos olhares de outras pessoas, às condições de tempo, à chuva, ao vento e estão mais abrigados”, acrescentou.

“Isto vem melhorar as condições de socorro aos moradores e visitantes da ilha e dá outra segurança, porque vivemos isolados”, considerou.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas