Infecções menores podem voltar a matar devido a resistência a antibióticos
DATA
30/04/2014 18:15:04
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Infecções menores podem voltar a matar devido a resistência a antibióticos

medicamentos

Infecções consideradas actualmente como menores podem voltar a matar se nada for feito com urgência a nível global para lutar contra a resistência aos antibióticos, alertou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

No primeiro relatório sobre a resistência aos antibióticos a nível mundial, a OMS afirma que “esta grave ameaça já não é uma previsão, mas uma realidade em cada uma das regiões do mundo e todos, independentemente da idade e do país, podem ser afectados”.

Considerados pela OMS como um dos pilares da saúde, os antibióticos permitem-nos viver mais tempo e com melhor saúde, mas a sua utilização incorrecta tornou-os praticamente ineficazes em algumas décadas.

“A não ser que os numerosos actores envolvidos ajam urgentemente, de modo coordenado, o mundo caminha para uma era pós-antibióticos, onde infecções comuns e feridas menores que têm sido tratadas há décadas podem voltar a matar”, advertiu Keiji Fukuda, subdiretor-geral da OMS para a segurança sanitária.

“Se não tomarmos medidas significativas para evitar as infecções, mas também para alterar o modo como produzimos, receitamos e utilizamos os antibióticos, vamos perder pouco a pouco esses benefícios para a saúde pública mundial e as consequências serão devastadoras”, afirmou.

O relatório, com dados de 114 países, indica que existe resistência a numerosos agentes infecciosos, mas centra-se na resistência aos antibióticos de sete bactérias responsáveis por doenças comuns como as infecções hematológicas (septicemia), diarreias, pneumonias, infecções das vias urinárias e gonorreia.

A OMS, que classifica os resultados de “muito preocupantes”, considera como uma das principais causas da resistência a incorrecta utilização dos antibióticos: nos países pobres as doses administradas são demasiado fracas e nos países ricos a utilização é excessiva.

A organização critica também a falta de vigilância do uso dos antibióticos nos animais destinados ao consumo humano.

O estabelecimento de sistemas de vigilância do fenómeno, a prevenção das infecções e a criação de novos antibióticos são as recomendações feitas pela OMS.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.