Representante da OMS em Angola garante que país está em "alerta máximo" para travar epidemia de ébola
DATA
12/08/2014 11:32:51
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Representante da OMS em Angola garante que país está em "alerta máximo" para travar epidemia de ébola

hernandoagudelo

As autoridades angolanas estão "em alerta máximo" para travar a epidemia de ébola, que atinge alguns países da África Ocidental desde Março. A garantia foi dada ontem pelo representante da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Angola. Em declarações à rádio oficial angolana, Hernando Agudelo afirmou que em Angola e nos países vizinhos ainda não foi registado qualquer caso de ébola.

"O país mais perto com casos de ébola reportados até hoje é a Nigéria. E fica a milhares de quilómetros de distância de Angola", disse aquele responsável.

Segundo o representante da OMS, Angola está a cumprir com as recomendações dadas e uma delas é a triagem de pessoas que chegam ao aeroporto, especialmente de países afectados.

"Pessoas com febre, o que é que tem que ser feito, como identificar que essas pessoas não são portadoras do vírus, que vêm já doentes. Há algumas actividades que têm que ser feitas, por exemplo a logística, em matéria de protecção, luvas, óculos, máscaras, roupas completas de protecção para manuseamento de casos de ébola", referiu.

As autoridades sanitárias angolanas anunciaram na semana passada o reforço das medidas de segurança nas zonas fronteiriças, para maior controlo da situação, com a capacitação de equipas técnicas e provimento de logística, com destaque para as regiões fronteiriças.

A OMS declarou sexta-feira que a situação é uma "emergência internacional de saúde pública", face à proporção tomada pela doença que já matou mais de 960 pessoas e infectou mais de 1.700 outras.

O vírus do ébola transmite-se por contacto directo com o sangue, líquidos ou tecidos de pessoas ou animais infectados.

 

 

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.