Venezuela: hospitais declaram “emergência humanitária” por falta de materiais e medicamentos
DATA
14/08/2014 11:18:51
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Venezuela: hospitais declaram “emergência humanitária” por falta de materiais e medicamentos

venezuela

O presidente da Associação Venezuelana de Clínicas e Hospitais (AVCH) pediu hoje às autoridades que declarem o sector em "emergência humanitária" devido à "grave falta" de equipamentos, matérias-primas e medicamentos, alertando que mais de seis mil pacientes esperam por operações.

"Estamos a passar por uma crise humanitária. Trata-se da vida de seres humanos, de doentes. A saúde não tem ideologia [política] e estamos obrigados a atender todos (...). O problema no sector saúde é extremamente grave. Há mais de seis mil pacientes à espera para serem operados", disse Cristino García Doval.

Segundo o presidente da AVCH, o problema da carência de matérias-primas deriva da enorme dívida com fornecedores estrangeiros que abastecem 90% dos materiais e fármacos usados pelo sector, cujo pagamento tem sido dificultado pelas leis cambiais vigentes no país.

"Acumulámos uma dívida, na área de matérias-primas, que está à volta dos 363 milhões de dólares (272,9 milhões de euros) e na área dos fármacos, drogas e produtos terminados a dívida ascende a 970 milhões de dólares (729,3 milhões de euros). Isso motivou o fim do crédito e a perda de credibilidade", declarou.

Segundo a AVCH, em Julho passado foi entregue ao parlamento venezuelano um extenso relatório sobre a situação, que continha ainda detalhes sobre as preocupações do sector.

Desde 2003 que vigora na Venezuela um apertado sistema de controlo cambial que impede a livre obtenção de moeda estrangeira no país, obrigando os importadores a recorrerem ao Centro Nacional de Comércio Exterior, a fim de obterem autorização para aceder a dólares para pagar as importações.

São cada vez mais frequentes as queixas de cidadãos de dificuldades para conseguir medicamentos para várias doenças e dos laboratórios sobre atrasos na atribuição de dólares para aquisição de matérias-primas.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.