Doentes pós-AVC vão ser seguidos "de perto" no Alentejo em projecto inovador
DATA
05/12/2014 12:38:03
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Doentes pós-AVC vão ser seguidos "de perto" no Alentejo em projecto inovador

AVC 1

Um projecto inovador de acompanhamento dos doentes com alta hospitalar pós-AVC vai “nascer” no Alentejo, numa iniciativa do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) e do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Alentejo Central.

O projecto designa-se “Seguimento Integrado do Doente com AVC” e pretende optimizar a comunicação entre os Cuidados de Saúde Primários (CSP) e os hospitais para um melhor acompanhamento de todos os doentes com alta hospitalar após acidente vascular cerebral (AVC).

A directora executiva do ACES do Alentejo Central, Teresa Caldas, explicou à agência Lusa que a iniciativa, “pioneira a nível nacional”, está em preparação e, “se tudo correr bem”, vai ser implementada “a partir de Fevereiro” do próximo ano, numa primeira fase através de um projecto-piloto.

“Vamos arrancar com a Unidade de AVC do HESE e cinco unidades do nosso lado”, disse, referindo-se às Unidades de Saúde Familiar Lusitânia (Évora) e REMO (Reguengos de Monsaraz e Mourão) e às Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados de Estremoz, Mora e Vendas Novas.

A ideia, segundo Teresa Caldas, “é muito simples, mas pode fazer a diferença para o doente”, que “passa a ir aos sítios certos na altura certa”, permitindo atingir um dos objectivos principais do projecto que é “diminuir a recorrência por AVC”.

A directora do ACES explicou que, no Alentejo, “a hipertensão, a diabetes e a obesidade têm uma expressão muito forte” e existem “taxas muito altas de AVC e muitos internamentos” devido a este problema “no Hospital de Évora”.

“E percebemos que, quando tinham alta do hospital, perdíamos os doentes nesta passagem, ou seja, não havia uma comunicação eficaz entre uns cuidados e outros”, disse.

Segundo a clínica, “não era dada uma notícia de alta que permitisse aos cuidados de saúde primários retomarem rapidamente o doente a seu cargo para fazerem o controlo dos factores de risco, das questões ligadas à terapêutica ou das questões de reabilitação” destas situações pós-AVC.

O novo projecto quer eliminar esta “lacuna da referenciação e da comunicação” para contribuir para a existência de “menos recaídas e reinternamentos”, adoptando uma comunicação directa entre HESE e as unidades de saúde de cuidados primários.

“O HESE vai passar a dar, 24 horas antes, a notícia de alta do doente aos cuidados de saúde primários e nós vamos agendar uma primeira consulta pós-AVC logo na primeira quinzena depois da alta, informando o hospital”, afirmou.

Tal como até agora, o doente vai ser reavaliado no HESE, dois meses após a alta, mas a habitual consulta dos seis meses, caso essa avaliação do hospital assim o indique, pode passar a ser feita na unidade do ACES.

E, na área da reabilitação, o projecto prevê que o plano de intervenção proposto pelo Serviço de Fisiatria do HESE, igualmente envolvido na iniciativa, possa ser posto em prática “por fisioterapeutas do ACES”, sendo o doente avaliado numa consulta hospitalar aos três meses.

O projecto vai ser apresentado no IV Workshop de Boas Práticas de Governação, em Lisboa e os seus promotores esperam poder alargá-lo a outras áreas alentejanas e especialidades médicas, à medida que os resultados positivos forem sendo atingidos.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas