Primeiro pâncreas artificial aplicado a criança australiana com diabetes
DATA
22/01/2015 14:00:05
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Primeiro pâncreas artificial aplicado a criança australiana com diabetes

Cirurgia_geral

Um rapaz australiano de quatro anos foi o beneficiário do primeiro pâncreas artificial colocado em todo o mundo e que servirá para melhorar a vida dos diabéticos de todas as idades, noticiou hoje a imprensa local.

A cirurgia realizou-se quarta-feira no hospital Princess Margaret de Peth, capital do estado da Austrália Ocidental, segundo a estação de rádio ABC.

O doente sofre de diabetes de tipo 1 e corria o risco constante de hipoglicémia que pode causar convulsões, coma ou mesmo a morte.

O novo mecanismo, uma espécie de bomba de insulina, consegue prever quando os níveis de açúcar se tornam perigosamente baixos e irá fazer as funções do pâncreas, libertando insulina quando esta é necessária.

O pâncreas artificial é colocado na anca e ligado através de tubos ao interior do organismo.

O dispositivo tem uma vida média de quatro anos e custo cerca de 10 mil dólares (quase 7 mil euros).

A mãe do rapaz disse que a operação terá um impacto importante na vida do filho, que tem que ser constantemente vigiado.

"Oferece uma maior liberdade na alimentação. Tem só quatro anos. Não podemos dizer que não quando uma criança de quatro anos quer mais esparguete ou quando está numa festa de aniversário (...) Também nos permitirá um maior controlo durante a noite (...) Nenhum pai quer ter de se levantar de hora a hora", adiantou a mãe.

O professor Tim Jones, do hospital Princess Margaret, explicou que o dispositivo irá facilitar imenso a vida dos pais dos doentes diabéticos, especialmente durante a noite quando o risco de hipoglicémia é maior.

"A maioria dos pais têm que se levantar duas ou três vezes durante a noite para verificar os níveis de glucose e este mecanismo faz que que se sintam um pouco mais seguros", disse, adiantando que a tecnologia não se limita apenas às crianças.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas