Faculdade de Medicina de Coimbra recebe 2,4 ME para investigar o envelhecimento
DATA
13/02/2015 12:00:04
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Faculdade de Medicina de Coimbra recebe 2,4 ME para investigar o envelhecimento

Murta_Joaquim_OftHUC

A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra vai receber 2,4 milhões de euros da Comissão Europeia para investigar, durante cinco anos, uma área do envelhecimento humano, anunciou hoje aquela unidade.

Segundo Joaquim Murta, director da Faculdade de Medicina, trata-se de um projecto que visa a contratação de uma equipa de investigadores para estudar a biologia do envelhecimento humano, numa área que ainda não está definida.

"Será uma equipa super diferenciada, com laboratórios, investigação e ligação à parte clínica, num nicho específico da área do envelhecimento", explicou à agência Lusa o professor de medicina da UC.

O projecto da Faculdade de Medicina da UC foi um dos quatro nacionais aprovados pela Comissão Europeia, juntamente com os das Universidades do Minho, do Porto e Lisboa.

A investigação em envelhecimento é uma prioridade regional, tendo a Comissão Europeia também seleccionado para financiamento o projecto da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) para criação do Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento, no âmbito do Programa Horizonte 2020.

Trata-se de um projecto de 20 milhões de euros em consórcio entre a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Instituto Pedro Nunes, universidades de Newcastle (Reino Unido), Groningen (Holanda) e Mayo Clinic (Estados Unidos da América), projectado para funcionar nas instalações do antigo Hospital Pediátrico de Coimbra.

A candidatura passou à segunda fase, segundo Joaquim Murta, que prevê um desfecho positivo do processo, até porque a Comissão Europeia "já adiantou milhares de euros", antevendo que dentro de "ano e meio ou dois anos" o espaço do antigo pediátrico esteja reabilitado e pronto a acolher o Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas