Centro Hospitalar do Algarve arranca com formação na medicina intensiva
DATA
28/04/2015 16:01:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Centro Hospitalar do Algarve arranca com formação na medicina intensiva

Jovens Médicos 1

O Centro Hospitalar do Algarve (CHA) vai começar em Julho a dar formação a subespecialistas em Medicina Intensiva, o que pode contribuir para atrair médicos para o Algarve, disse hoje à Lusa um responsável.

“Passámos de dois serviços sem grande visibilidade nesta área para formadores nacionais”, sublinhou Luís Pereira, director do departamento de Emergência, Urgência e Cuidados Intensivos do CHA.

Aquele centro hospitalar anunciou na segunda-feira que o Conselho Nacional Executivo da Ordem dos Médicos atribuiu àquele departamento, que integra os serviços de Medicina Intensiva de Faro e de Portimão, a capacidade formativa parcial de nível C para os próximos cinco anos.

Médicos de todo o país e da Europa podem candidatar-se às quatro vagas para subespecialistas nas áreas de Medicina Intensiva e as vagas para a formação de médicos internos passa de cinco para oito.

Cada subespecialização tem a duração de dois anos.

Para alcançar esta atribuição, o CHA conta com uma equipa de sete subespecialistas, remodelou os serviços de Portimão e Faro, aumentando o número de camas e atendimentos e adquiriu novos equipamentos.

No Hospital de Faro, o serviço de Medicina Intensiva passou de nove para 16 camas.

O investimento implicou ainda uma adequação dos rácios de camas ao número de médicos e enfermeiros, explicou o director do departamento de Emergência, Urgência e Cuidados Intensivos (DEUCI).

O CHA já tem capacidade formativa em várias especialidades mas a capacidade formativa na área da Medicina Intensiva poderá permitir a aquisição de capacidade formativa na área da Anestesiologia já que para esta área é necessário que o hospital tenha serviço de cuidados intensivos de qualidade.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas