Tratamento que melhora vida de doentes com cancro da próstata administrado em Coimbra
DATA
14/05/2015 18:58:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Tratamento que melhora vida de doentes com cancro da próstata administrado em Coimbra

CHUC

O tratamento Radio 233, lançado no início do ano no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), permite uma melhoria da qualidade de vida dos doentes com cancro da próstata.

O tratamento, que já era administrado em duas instituições privadas, chegou agora, pela primeira vez, a um hospital público e, segundo a directora do serviço de Medicina Nuclear do CHUC, Gracinda Costa, permite "dar qualidade de vida aos doentes" com cancro da próstata, controlando a dor provocada pelas metástases ósseas, podendo também registar-se "ganhos no aumento de vida".

O tratamento consiste na administração de uma substância radioactiva (o Radio 233), através de seis injecções intravenosas, ao longo de seis meses, explanou.

O rádio, sendo um elemento químico análogo ao cálcio, vai fixar-se no osso. Deste modo, as metástases ósseas, como captam "mais cálcio", vão também, "captar mais rádio", o que ajuda a controlar e a garantir que "não cresçam", apesar de não ser possível destruir essas metástases com este tratamento, afirmou Gracinda Costa.

"É como se fosse um míssil dirigido", exemplifica, referindo que "as metástases têm um apetite imenso", sendo que, apesar de o rádio se difundir "por todo o corpo, vai-se localizar mais no sítio onde estão as metástases", destruindo o DNA das células metastáticas.

A quantidade de substância administrada é pequena – na ordem dos três nanogramas (três bilionésimos de grama) – sendo um tratamento "seguro, porque a toxicidade é muito limitada", frisou.

O tratamento Radio 233 está a ser aplicado a apenas um doente do CHUC, desde Janeiro, registando-se já algumas "melhorias de qualidade de vida", apesar de a terapia ainda não ter sido concluída, avançou.

Na sexta-feira, Portugal assinala o Dia Nacional da Próstata.

O cancro da próstata é uma das doenças oncológicas mais frequentes nos homens, constituindo, neste grupo, a segunda causa de morte por cancro.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.