Segunda edição de campanha "Give" apela à dádiva de sangue
DATA
02/06/2015 17:13:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Segunda edição de campanha "Give" apela à dádiva de sangue

amostradesangue

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) lançou hoje a segunda edição de uma campanha de apelo à dádiva de sangue, para prevenir a habitual quebra de colheitas do Verão.

A campanha “Give Nexcare”, que se realiza este ano pela segunda vez, resulta de uma parceria entre o IPST e a área farmacêutica da empresa 3M Portugal e tem como objectivo consciencializar a população sobre a importância desta atitude solidária.

“A escassez de dadores de sangue é um problema que a sociedade enfrenta nos dias de hoje. Cabe a cada um de nós inverter esta tendência e com um pequeno gesto podemos ajudar quem mais precisa”, salienta o IPST.

Sob o lema “faz a diferença, salva uma vida”, a campanha tem este ano como embaixadora a actriz Sara Prata.

O alerta e apelo à dádiva surgem numa altura em que as dádivas habitualmente começam a descer, tendência que se costuma manter durante o Verão.

Segundo dados do IPST, actualmente existe a nível nacional uma reserva de 12.567 unidades, sendo que a reserva do instituto é de 6.450.

Este valor nacional indicia já uma quebra de 29%, uma vez que no início do ano a reserva nacional era de 17.620 unidades.

Quanto aos tipos de sangue, o IPST tem actualmente reserva de nove dias para os 0 (zero) negativos e positivos, de 14 dias para os A+ e de 10 dias para os A-.

A nível nacional, existem disponíveis reservas de 14 dias para 0 positivo e de 21 dias para 0 negativo, de 19 para A+ e de 22 para A-.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.